Resultado na Olimpíada vai interferir no repasse do COB ao final do ano

Natação e basquete, que deixaram a desejar, podem perder verba

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2016 | 05h00

Com mais confederações para dividir o “bolo” dos recursos da lei Agnelo/Piva, muitas entidades devem perder o status no próximo ciclo olímpico por causa da campanha abaixo da expectativa nos Jogos do Rio. Enquanto modalidades como a natação e basquete deixaram a desejar, outras, como canoagem e ginástica, mostraram que podem subir degraus.

O COB (Comitê Olímpico do Brasil) determina ao final de todo ano qual é a expectativa de valor que terá para repassar às confederações. Os recursos são oriundos de uma parte dos 1,7% da renda bruta das loterias federais que o COB recebe. Em 2015, por exemplo, o montante foi R$ 244,7 milhões.

Assim, as modalidades entram em faixas diferentes de importância, de acordo com critérios definidos para a distribuição. Um deles é ter obtido um desempenho igual ou melhor que o esperado. Pela campanha no Rio, modalidades importantes devem perder espaço e outras, que entraram no programa olímpico, como surfe, skate, caratê, escalada, beisebol e softbol, vão passar a receber verba. “Vai haver uma reanálise e possivelmente elas vão trocar de posição. Essas divisões das modalidades são vivas”, explicou Marcus Vinicius Freire, diretor executivo de esportes do COB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.