Molly Darlington / Reuters
Molly Darlington / Reuters

Resumo do dia na Paralimpíada de Tóquio: Brasil conquista quatro medalhas na natação

No goalball, time masculino vence e feminino perde; tênis de mesa tem triunfo emocionante

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2021 | 10h20

O primeiro dia de competições da Paralimpíada de Tóquio já teve diversas medalhas sendo distribuídas, no ciclismo de pista e natação. Nesta última, o Brasil fez bonito, conquistando quatro medalhas em sete finais disputadas. A equipe masculina de goalball também alcançou uma bela vitória contra a forte Lituânia, enquanto a feminina encarou os EUA e foi derrotada. O tênis de mesa conseguiu algumas vitórias, incluindo uma emocionante de Israel Stroh, enquanto os atletas da esgrima em cadeira de rodas e do ciclismo não foram bem. Confira o resumo completo.

NATAÇÃO

Uma das modalidades nas quais o Brasil mais se destaca, a natação não decepcionou. A primeira medalha veio com Gabriel Araújo, prata nos 100m costas da classe S2; pouco depois, Gabriel Bandeira conquistou o ouro nos 100m borboleta na classe s14. Ambos são jovens (o primeiro tem 19 anos e o segundo, 21) e disputam sua primeira Paralimpíada.

As outras duas vieram de atletas experientes e com grandes coleções de medalhas: Phelipe Rodrigues conquistou o bronze (oitava medalha) nos 50m livres classe s10, enquanto Daniel Dias chegou à 25ª medalha paralímpica com o bronze nos 100m livre classe s5.

Douglas Matera, Mariana Gesteira e Carol Santiago também chegaram a finais, que não conseguiram medalha.

GOALBALL

O Brasil encarou a Lituânia no goalball masculino. Atual bicampeã mundial, a seleção brasileira goleou o adversário, medalhista de ouro na Rio-2016, por 11 a 2, em excelente estreia. Nos outros jogo, os atletas russos superaram o Canadá por 5 a 1 e o Japão atropelou a Argélia por 13 a 4.

O time feminino encarou os Estados Unidos, outro rival forte, e acabou derrotada por 7 a 4.

TÊNIS DE MESA

Teve jogo bastante emocionante, com vitória brasileira: na classe 7, Israel Stroh encarou o japonês Masachika Inoue e conseguiu virar após estar perdendo por 2 a 1, fechando em 3 sets a 2. Além dele, Catia Cristina (classe 2) venceu a finlandesa Aino Tapola por 3 sets a 1, David Andrade de Freitas venceu por W.O o sueco Alexander Oehgren na classe 3. Danielle Rauen (classe 9) jogou duas vezes, vencendo a turca Neslihan Kavas e perdendo para a húngara Alexa Stávacs.

Outra que jogou duas vezes, Jennyfer Parinos (classe nove) perdeu ambas as partidas. Outros estiveram em um jogo e saíram derrotados: Marliane Amaral (classe 3, Luiz Felipe Manara (classe 8), Lethicia Lacerda (classe 8), Carlos Alberto Junior (classe 10) e Joyce de Oliveira (classe 4).

ESGRIMA EM CADEIRA DE RODAS

O Brasil teve dois representantes no sabre categoria B,: Mônica Santos e Vanderson Luis Chaves. Os dois não tiveram bom desempenho: perderam as quatro lutas que disputaram e acabaram eliminados ainda na fase de pules, a primeira.

CICLISMO DE PISTA

O Brasil teve Ana Raquel Lins como única representante na modalidade, na classe C5, para competidores com deficiência físico-motora e amputados. Ela terminou a prova dos 3000m na nona e última colocação nas eliminatórias, com o tempo de 4m43s704.

PRIMEIRO OURO

A primeira medalha de ouro das Paralimpíadas de Tóquio foi da ciclista Paige Greco, da Austrália. Ela voou na pista e pedalou 3 mil metros no Velódromo de Izu em 3min50s815, batendo o recorde mundial e vencendo a prova de Perseguição Individual feminina do ciclismo para classes C1, C2 e C3.

POTÊNCIAS

Duas das grandes potências paralímpicas, Austrália e China começaram bem. O país da Oceania lidera o quadro de medalhas até o momento, com seis ouros e dez medalhas no total, com destaque para as vitórias na natação. A China tem cinco ouros e oito medalhas no total. A Rússia é outra com bom início (três ouros). Ucrânia e Grã-Bretanha, que ficaram entre os primeiros na Rio-2016, conquistaram apenas um ouro, mas brilharam nas pratas (cinco e quatro, respectivamente).

ESPORTES COLETIVOS

Outros esportes que começaram nesta madrugada, mas que não contam com a participação do Brasil, são rúgbi e o basquete, ambos disputados em cadeiras de rodas. No rúgbi, que é misto, os Estados Unidos derrotou a Nova Zelândia por 63 a 35, o Japão bateu da França por 53 a 51 e a Grã-Bretanha superou o Canadá por 50 a 47.

No basquete feminino, a China massacrou a Argélia por 74 a 25, a Holanda ganhou dos Estados Unidos por 68 a 58, o Canadá derrotou a Grã-Bretanha por 73 a 54 e as anfitriãs japonesas triunfaram sobre a Austrália por 73 a 47.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.