Marko Djurica / Reuters
Marko Djurica / Reuters

Resumo do dia na Paralimpíada: natação tem ouro, prata, bronze e adeus de Daniel Dias

Dia também teve grande vitória sobre favoritas no goalball e bronzes na bocha e no tênis de mesa

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2021 | 09h50

A manhã de quarta na Paralimpíada reservou um dos momentos mais emocionantes para os brasileiros: a despedida de Daniel Dias, que encerra a carreira após os Jogos de Tóquio e disputou sua última prova. Ainda na natação, o Brasil conquistou um ouro com Maria Carolina Santiago, uma prata com Cecília Araújo e um bronze com Thalison Glock. Na bocha, o Brasil venceu as duas disputas do bronze que tinha, e também sobe ao pódio no tênis de mesa. No goalball feminino, o Brasil conseguiu uma vitória gigantesca e dramática sobre a China. Confira o resumo completo.

NATAÇÃO

Na primeira final do dia, Talisson Glock foi bem na chegada e levou o bronze nos 100m livre da classe S6 (dois membros amputados ou dificuldades motoras de um lado do corpo), superando o chinês Hongguang Jia por dez centésimos. Maria Carolina Santiago conquistou seu terceiro ouro olímpico ao dominar a prova dos 100m peito da classe S12 (deficiência visual moderada). E Cecília Araújo ficou com a prata nos 50m livre na classe S8 (atletas amputados ou com dificuldade motora num lado do corpo).

Mas os holofotes foram para uma disputa que não rendeu medalha: Daniel Dias encerrou uma das maiores carreiras de um atleta paralímpico na história com o quarto lugar na prova dos 50m costas, atrás de três chineses. Dias tem 27 medalhas paralímpicas, sendo 14 de ouro, sete de prata e seis de bronze - três desses bronzes conquistados em Tóquio.

ATLETISMO

O Brasil passou em branco no atletismo: Samira Brito fechou em sétimo na final dos 100m T36 (atletas com paralisia cerebral) e Ariosvaldo Fernandes chegou em quarto na final dos 100m da classe T53 (atletas cadeirantes). Lucas Prado não conseguiu avançar para a final dos 100m rasos da classe T11 (cegos).

GOALBALL

Em partida dramática, a seleção feminina do Brasil superou a China por 1 a 0. Após empate sem gols no tempo normal, a equipe brasileira aproveitou a primeira e única penalidade do jogo no segundo tempo da prorrogação, marcou o gol de ouro e eliminou as favoritas.

BOCHA

Maciel Santos venceu a disputa pelo bronze na classe BC2 com uma vitória por 4 a 3 sobre Worawut Saengampa, da Tailândia. Dessa forma, ele aumentou a contagem de medalhas paralímpicas, pois já tinha um ouro de Londres e uma prata do Rio. Depois, José Carlos Chagas também garantiu o terceiro lugar da classe BC1 (onde os competidores podem ter auxílio para estabilizar a cadeira de rodas e receber a bola). O bronze veio depois da vitória por 8 a 2 sobre o português André Ramos.

TÊNIS DE MESA

O Brasil garantiu uma medalha ao superar a Turquia pelas quartas de final das classes S9 e S10 (atletas com poucas dificuldades motoras e amputados de um membro) por 2 a 1. Danielle Rauen e Bruna Alexandre venceram seus confrontos individuais contra Neslihan Kavas e Merve Demir respectivamente, após perder nas duplas. Como a modalidade não tem disputa de terceiro lugar, o bronze já estava garantido.

E foi com o bronze que o Brasil ficou, após perder por 2 a 0 para a Polônia na semifinal. Nas duplas, Danielle e Bruna perderam para Natalia Partyka e Karolina Pek. No individual, Jennyfer Parinos não conseguiu segurar Partyka, considerada uma das melhores da história.

VÔLEI SENTADO

A seleção brasileira feminina venceu a Itália por 3 sets a 1 (23/25, 25/17, 25/16 e 25/21), pela última rodada da primeira fase. Com isso, a seleção chega invicta às semifinais.

CICLISMO

Na disputa da corrida de estrada, a brasileira Jady Martins Malavazzi fechou na 13ª posição H1-H4 (classes com bicicletas adaptadas, na qual os atletas pedalam com as mãos). O ouro foi para a holandesa Jannette Jansen, de 52 anos, que conquistou o ouro paralímpico pela primeira vez.

TIRO ESPORTIVO

Na classe SH2 (atletas que precisam de um suporte para conseguir segurar o rifle), o brasileiro Alexandre Galgani acabou na 10ª posição, com 633.9 pontos, entre os 37 competidores. Apenas os oito melhores passaram para a final.

TIRO COM ARCO

Rejane Silva foi derrotada nas oitavas de final pela britânica Victoria Rumary, medalhista de bronze no mundial de 2017, por 115 a 107 no total.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.