Charly Triballeau/AFP
Charly Triballeau/AFP

Revezamento da tocha vai ser o grande desafio dos japoneses antes da Olimpíada

A partir do dia 26 de março, artefato vai passar por várias cidades; evento vai ser menor do que o planejado

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

29 de fevereiro de 2020 | 13h00

O revezamento da tocha olímpica será o grande desafio para o Comitê Organizador dos Jogos de Tóquio nas próximas semanas. A cerimônia da “chama sagrada” será celebrada na Grécia no dia 12 de março, depois haverá uma volta por sete dias no país europeu, e na sequência, a partir do dia 26 de março, começará oficialmente o revezamento em solo japonês – o objeto chegará no dia 20 em Miyagi.

Só que o Comitê Organizador já indica que o evento será bem menor do que o planejado, para evitar que o coronavírus se espalhe ainda mais durante esse período que provavelmente terá aglomeração de pessoas. “Nós pretendemos anunciar nossa política básica na próxima semana”, explicou Masa Takaya, porta-voz do comitê.

No projeto inicial, o revezamento começará em Fukushima, local que sofreu com o terremoto de 2011. E passará por 47 prefeituras, e os principais cartões-postais do país, até chegar na cerimônia de abertura, marcada para 24 de julho em Tóquio. A tendência é que o Comitê Organizador reduza a quantidade de pessoas envolvidas em cada etapa do revezamento.

Serão 121 dias de celebração e a estimativa preliminar indica que cerca de 10 mil pessoas carregarão a tocha olímpica no Japão. O evento conta com patrocinadores globais como Coca-Cola e Toyota, e costuma reunir grandes atletas e celebridades em cada etapa do percurso. É o aquecimento para a Olimpíada e até por isso, os organizadores sabem que não podem falhar.

Recentemente, um evento para voluntários dos Jogos foi cancelado, a fim de evitar a aglomeração de pessoas nesse período mais crítico do inverno. Shinzo Abe, Primeiro Ministro do Japão, pediu o fechamento das escolas públicas até abril, para manter as crianças em casa. O foco total está em garantir que a nação passará por esse momento sem grandes traumas para poder confirmar a realização da Olimpíada no verão.

Diversos eventos esportivos estão sendo cancelados no Japão para diminuir o risco de que o coronavírus se espalhe em um ritmo mais rápido. Neste domingo (sábado à noite no Brasil), por exemplo, será realizada a Maratona de Tóquio, mas apenas com a presença de atletas de elite e cadeirantes – muitos ainda estão em busca de índice para competir nos Jogos Olímpicos. Cerca de 200 pessoas disputarão a prova de 42.195 metros enquanto 38 mil corredores que estavam inscritos não puderam participar. Muitas outras competições pelo país foram suspensas.

COB orienta atletas a evitar viagens a China e Coreia do Sul

O Departamento Médico do Comitê Olímpico do Brasil (COB) orientou os atletas e comissões técnicas a evitar viagens para China e Coreia do Sul. "São totalmente contraindicadas", disse. A medida é mais rigorosa que as recomendações do Ministério da Saúde, que não inclui a Coreia como um destino a ser evitado.

A equipe médica da entidade elaborou um documento apresentando como se dá a transmissão do coronavírus e quais as formas de prevenir. O COB avisou que “seguirá as orientações das Federações Internacionais e definirá a participação em competições e treinos realizados em áreas de risco junto às Confederações Brasileiras Olímpicas.” O COB também garante que dará todo suporte aos atletas para não terem prejuízo em sua preparação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.