Emmanuel Dunand| Getty Images
Emmanuel Dunand| Getty Images

Rival de Sasaki, principal ginasta russo é pego no doping

Nikolai Kuksenkov saiu da competição por Meldonium

Estadão Conteúdo

04 de abril de 2016 | 14h35

O principal nome da Rússia na ginástica artística masculina é o mais novo caso de doping por Meldonium. Nikolai Kuksenkov ganhou o individual geral do Campeonato Russo de Ginástica na sexta-feira passada, e, um dia depois, foi retirado da competição. De acordo com a federação local, ele caiu em um exame antidoping realizado em 15 de março, cujo resultado só foi divulgado agora.

Como tem sido de praxe nos últimos casos revelados, Kuksenkov argumentou que já deixou de consumir Meldonium há algum tempo - no caso dele, agosto do ano passado. A substância só entrou na lista de proibidas pelo Código Mundial Antidoping em 1.º de janeiro, mas ela permanece no organismo dos atletas por muitos meses. Na Rússia, o Meldonium, formalmente recomendado para problemas cardíacos, era bastante utilizado por atletas de diversas modalidades.

Kuksenkov competia pela Ucrânia até 2013, utilizando o nome esportivo Mykola Kuksenkov. Como ucraniano, ele foi o quarto colocado nos Jogos Olímpicos de Londres no individual geral. No ano passado, já como russo, terminou em quinto.

A suspensão dele pode ajudar diretamente que Sergio Sasaki ganhe uma medalha nos Jogos Olímpicos do Rio. O brasileiro foi sétimo no Mundial de 2014 e não participou da competição no ano passado porque havia passado por cirurgia.

Um levantamento extraoficial aponta que já são 26 casos de doping por Meldonium no esporte russo, em 17 modalidades. A Rússia, entretanto, não concetra todos os casos. No fim de semana foram revelados os dopings de Andrei Rybakov, da Bielo-Rússia, duas vezes medalhista de prata na Olimpíada, e de Wrestler Lévai, da Eslováquia, prata nos Jogos Europeus do ano passado. Ambos são atletas da luta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.