Rogério Clementino assegura vaga para a Olimpíada de Pequim

É o primeiro cavaleiro negro que representará o país nos Jogos; ele disputará o adestramento

Agência Estado,

18 de abril de 2008 | 21h39

O Brasil terá na Olimpíada de Pequim seu primeiro cavaleiro negro numa competição de hipismo: Rogério Clementino confirmou nesta sexta-feira sua classificação para disputar o adestramento, ao vencer a prova equivalente à quarta seletiva, no Clube Hípico de Santo Amaro, em São Paulo. Os 26 anos, o cavaleiro, que foi medalha de bronze no Pan do Rio, no ano passado, já tinha conquistado o índice obrigatório de 64% de aproveitamento uma vez, na terceira seletiva, em março, com a presença de juízes oficiais da Federação Eqüestre Internacional. Segundo o regulamento da entidade, o cavaleiro precisa ter o índice em dois eventos internacionais distintos. Nesta sexta, Rogério, montando o cavalo Nilo VO, venceu o Grande Prêmio B, com a média final de 63,583% no julgamento dos cinco juízes internacionais do evento. Mas obteve o segundo índice com a nota 65,417% dada pela juíza Marriete Withages, da Bélgica. Ex-peão de rodeio, o cavaleiro mato-grossense começou a fazer equitação clássica há sete anos, quando foi trabalhar na Coudelaria Ilha Verde, de Victor Oliva, em Araçoiaba da Serra (SP). Começou como tratador, e em 2006, estreou no adestramento e venceu competidores experientes para ser campeão brasileiro, título que repetiu em 2007. Primeiro negro a disputar um Pan pelo Brasil, participou da equipe que ficou com a medalha de bronze. Luiza Tavares de Almeida, de 16 anos, a mais jovem amazona a participar de um Pan, o do Rio, em 2007, ficou em segundo no Grande Prêmio B, com o cavalo Samba. Luiza recebeu 66,667% da belga Marriete Withages e está mais perto da vaga olímpica. Precisa repetir o índice na quinta e última seletiva do adestramento, de 9 a 11 de maio, em São Paulo. O terceiro lugar do GP ficou com a amazona Micheline Schulze e a égua Lady Larome II (60,792%).

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008hipismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.