Clayton de Souza|Estadão
Clayton de Souza|Estadão

Roseane Zanetti sempre soube que 'tamanho não é documento'

Mãe recusou aplicar injeção de crescimento em Arthur

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

08 de maio de 2016 | 07h00

O mito de que a ginástica artística atrapalha o crescimento dos atletas nunca preocupou Roseane Zanetti. A mãe de Arthur conta que a pediatra pediu exames hormonais quando o filho tinha cinco anos, mas que os resultados não apresentaram alterações. "Ela queria que eu desse injeção de crescimento nele. Eu me recusei", afirma. Arthur parou no 1,56 m de altura e foi "escolhido" pelo esporte que privilegia os mais baixos. 

A indicação de colocar o filho na ginástica foi do professor Sérgio, que viu habilidade do menino ainda no jardim de infância. O desejo de continuar no esporte partiu do atleta, e o apoio da família sempre foi total. No Rio, a família inteira estará na arquibancada.

Roseane sabe que os gritos dela não serão ouvidos pelo filho na busca pelo bicampeonato olímpico nas argolas. "Ele desliga, não vê e não escuta ninguém", conta. Mas nem sempre foi assim. Em uma festa de encerramento do ginásio, Arthur Zanetti fez o movimento do 'Cristo'. A avó Neide arregalou os olhos de tal modo que o garoto tomou um susto. "A gente fala para ela não olhar", brinca.

A mãe gosta apenas de observar e confessa que fica até nervosa se alguém fica conversando ao seu lado enquanto Arthur está em ação nas argolas. "Eu travo, quero ficar prestando atenção. Peço que me deixem quietinha e concentrada", explica. Roseane já teve uma prévia do comportamento da torcida brasileira durante o evento-teste, em abril. "Tenho um orgulho enorme ao ver o reconhecimento que ele tem das pessoas. É emocionante ver o ginásio inteiro torcendo por ele."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.