Grigory Dukor/Reuters
Grigory Dukor/Reuters

Rússia anuncia equipe para os Jogos de Inverno com 169 atletas

Com vários desfalques, a patinadora Evgenia Medvedeva é um dos destaques da delegação que vai à Coreia do Sul

Estadão Conteúdo

25 Janeiro 2018 | 21h34

A Rússia anunciou nesta quinta-feira uma equipe de 169 atletas para os Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang, mas muitos dos melhores do país não aparecem na lista para o evento no próximo mês na Coreia do Sul.

+ Thomas Bach garante presença de 'atletas limpos' da Rússia nos Jogos de Inverno

A equipe foi reduzida devido a 46 proibições por doping durante os Jogos de 2014 em Sochi, bem como a recusa do Comitê Olímpico Internacional (COI) de realizar convites para dezenas de outros atletas, alegando novas evidências do suposto uso de substâncias proibidas.

A equipe russa foi tecnicamente impedida pelo COI de participar do evento por causa do que apontou como um esquema de doping com participação estatal. Os "atletas olímpicos da Rússia" terão que competir com uniformes sem o emblema nacional. Se ganharem um evento, será executado o hino olímpico, com o hasteamento da bandeira do COI.

Embora tenha sido drasticamente reduzida e que alguns atletas poucos conhecidos irão competir, a equipe será uma das maiores dos Jogos de Pyeongchang. Em Sochi-2014, 214 russos competiram, enquanto em Vancouver-2010 foram 175 participantes.

A lista de 169 atletas publicada pelo Comitê Olímpico Russo inclui nomes de estrelas como os jogadores de hóquei Ilya Kovalchuk e Pavel Datsyuk, juntos com a campeã mundial de patinação Evgenia Medvedeva. Porém, a relação não conta com Viktor Ahn, seis vezes ouro na patinação velocidade, e o campeão mundial cross-country Sergei Ustyugov, que segundo as autoridades russas foram rejeitados pelo COI.

A lista não foi confirmada pelo COI e pode ser reduzida, ainda mais que a entidade segue realizando um processo de investigação visando eliminar os atletas que se envolveram com doping, usando dados recuperados do laboratório de Moscou que está no centro do escândalo de utilização de substâncias proibidas pelos russos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.