Alexander Nemenov/AFP
Alexander Nemenov/AFP

Rússia confirma que vai recorrer à CAS para disputar Jogos de Tóquio-2020

Entidade russa diz que 'contesta a punição em sua totalidade', incluindo a evidência de adulteração do arquivo de dados

Redação, Estadão Conteúdo

27 de dezembro de 2019 | 14h48

A Rússia confirmou nesta sexta-feira que vai recorrer à Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) contra a suspensão imposta pela Agência Mundial Antidoping (Wada) no início do mês. Em carta pública divulgada nesta sexta, a Agência Antidoping da Rússia (Rusada) disse discordar da punição e prometeu acionar a CAS.

A entidade russa disse que "contesta a punição em sua totalidade", incluindo a evidência de adulteração do arquivo de dados, grande pivô da nova crise entre os russos e a Wada. Em janeiro, a Rusada entregou à entidade internacional os dados com as informações sobre os exames antidoping realizados em solo russo nos últimos anos.

Essa era uma das condições para liberar a Rússia de forma definitiva para competir normalmente em todos os eventos internacionais. Mas os dados acabaram se tornando nova dor de cabeça para os russos porque a Wada considerou que houve manipulação destas informações, agradando ainda mais a situação do país diante da entidade.

Como consequência, a Wada condenou o esporte russo a quatro anos de banimento das grandes competições internacionais, período durante o qual vai ficar afastado de Jogos Olímpicos e Mundiais, incluindo o de futebol, em 2022 no Catar, mas permitindo e prometendo o apoio à participação dos atletas "limpos", sob bandeira neutra.

Com a punição, pela terceira vez consecutiva antes de uma Olimpíada, a Rússia está em atrito público com a Wada justamente por questões de doping. Apesar disso, autoridades russas afirmaram recentemente que estão mantendo normalmente a preparação do país para os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.