Alex Silva|Estadão
Alex Silva|Estadão

Russos treinam no ABC e tentam ignorar indefinição antes dos Jogos

Nadadores estão em São Caetano do Sul sem saber se irão ao Rio

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

25 de julho de 2016 | 07h00

Em São Caetano do Sul, a equipe de natação da Rússia ainda treina para os Jogos sob o clima de incerteza. A delegação está na cidade desde a semana passada e diz se sentir bastante incomodada com a indefinição sobre a presença na Olimpíada a partir da semana que vem. Após escândalos de doping, o Comitê Olímpico Internacional (COI) afirmou neste domingo que cada ederação esportiva testar os atletas e decidir se os esportistas russos devem participar da disputa.

Em maio, os treinadores da seleção do país definiram o ABC paulista como local da fase final de preparação, mas o trabalho têm sido prejudicado pela possibilidade de a equipe ficar fora da Olimpíada. “Essa situação atrapalha muito a nossa preparação. Os atletas estão nervosos. Em vez de relaxar e focar nos Jogos, eles acabam pensando se vão ou não poder participar”, disse neste domingo ao Estado o coordenador da equipe russa de natação, Sergey Jilkin Junior.

Cerca de dez russos, entre treinadores, dirigentes e atletas da equipe masculina já estão hospedados na cidade. Na quarta-feira deve chegar o restante da delegação, formada principalmente pelas nadadoras.

Em São Caetano do Sul, os russos têm treinado em dois períodos no Complexo Esportivo Lauro Gomes. Os principais nomes do time são Alexandr Sukhorukov e Nikita Lobintsev, medalhistas olímpicos e campeões mundiais em provas de revezamento.

Segundo o coordenador, os treinadores têm se preocupado em acalmar os atletas sobre a indefinição que envolve o país antes dos Jogos do Rio. "O destino deles está sendo decidido longe daqui. Na minha opinião, as decisões têm sido injustas. Vimos hoje que atletas pegos em exames antidoping no passado, estão fora dos Jogos. Mas se eles já cumpriram a punição, por que precisam ser punidos pela segunda vez?", criticou.

Jilkin Junior afirmou que por determinação da comissão técnica, os nadadores não poderiam dar entrevista. “Os atletas já estão expostos demais e bem atentos à situação, leem nas redes sociais e na internet. Vamos tentar manter todos calmos”, disse. O coordenador explicou que para evitar problemas na preparação, os atletas foram orientados a não falar sobre o tema com dirigentes que estão na Rússia.

CLIMA

Apesar de se dizer satisfeita com as instalações para treinos em São Caetano do Sul, a delegação russa se mostrou preocupada com as condições de temperatura. O coordenador da equipe afirmou que o frio da semana passada assustou até mesmo quem está acostumado à viver abaixo de zero grau em Moscou.

"Infelizmente o nosso hotel não tem muitos aquecedores. Se voltar a esfriar, vamos ter que pensar em soluções, porque não quero que os atletas fiquem doentes a poucos dias dos Jogos", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
OlimpíadaRIo 2016NataçãoRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.