Conheça os principais atletas para ficar de olho na Olimpíada

Usain Bolt, Allyson Felix e Yarisley Silva estão entre os destaques

O Estado de S. Paulo

31 Agosto 2015 | 06h59

Na prova mais nobre do atletismo, os 100 metros, o grande nome para acompanhar na Olimpíada do Rio é o jamaicano Usain Bolt. Ele é recordista mundial, ganhou o ouro em Pequim e deve ter ótimos adversários ao seu lado na pista. A começar pelos norte-americanos Justin Gatlin, prata no Mundial, e Tyson Gay. Outros dois nomes devem tornar a missão de Bolt mais difícil: Trayvon Bromell, atleta de 20 anos dos Estados Unidos e bronze em Pequim, e o canadense Andre de Grasse, também de 20 anos e que fez o melhor tempo de sua vida em Pequim. No feminino, a grande atração será a jamaicana Shelly-Ann Fraser-Pryce, que correu na China com uma coroa de flores na cabeça e mesmo assim chegou em vantagem para ganhar o ouro.

200 METROS

A holandesa Dafne Schippers deixou as rivais jamaicanas para trás e conquistou o ouro na prova com um excelente tempo, fazendo a terceira melhor marca da história. Com o feito, a velocista entrou para o seleto grupo de atletas para se acompanhar nos Jogos do Rio. Pela primeira vez ela quebrou a marca dos 22 segundos e, aos 23 anos, tem muito a evoluir, já que sua especialidade era o heptatlo - em 2013, no Mundial, ela foi bronze na prova.

400 METROS

A veterana Allyson Felix, de 30 anos, fez fama nas pistas principalmente nas provas de 200 m. Mas no Mundial ela abriu mão de sua especialidade, na qual conquistou os pódios nos Jogos de Atenas (2004), Pequim (2008) e Londres (2012), para brilhar nos 400 m e garantir o ouro com o melhor tempo do ano. Com o feito chegou a nove títulos em mundiais, um recorde no feminino e atrás apenas de Usain Bolt. No Rio, ela deve optar pelos 400 m e tentar mais um pódio olímpico para seu currículo. No masculino, o destaque será o sul-africano Wayde van Niekerk, que ganhou o ouro em Pequim.

10.000 METROS

O britânico Mo Farah levou legiões de torcedores para vê-lo ser campeão olímpico em Londres e tem tudo para fazer bonito e atrair a atenção no Rio de Janeiro. Nascido na Somália, ele se mudou aos 8 anos para o Reino Unido para viver com o pai britânico. Nos Jogos de 2012, ele ganhou dois ouros, nas provas de 5 mil m e 10 mil m, e pretende repetir a dose no Rio. Seus principais adversários são os atletas do Quênia e da Etiópia, que costumam correr bem nessas distâncias

SALTO COM VARA

Na prova que a brasileira Fabiana Murer tem chance de medalha, a estrela é a cubana Yarisley Silva, que vive grande fase. Ela conquistou o ouro no Pan de Toronto e repetiu a dose no Mundial em Pequim. Outras atletas que vão brigar pelo pódio são: a grega Nikoléta Kyriakopoúlou, as norte-americanas Sandi Morris e Jeniffer Suhr, e a russa Anzhelika Sidorova. Isso sem contar em Yelena Isinbayeva, recordista mundial que não esteve na competição em Pequim. No masculino, a grande aposta é o francês Renaud Lavillenie, que viu a medalha escapar na China: o ouro ficou com Shawnacy Barber.

SALTO TRIPLO

O atleta norte-americano Christian Taylor surpreendeu ao bater o cubano Pedro Pichardo na prova em Pequim com uma marca bastante expressiva. Ele saltou 18,21 m e ficou a apenas oito centímetros do recorde mundial, que é do britânico Jonathan Edwards, conquistado em 1995. Curiosamente, Taylor iniciou o salto 11,5 centímetros antes da linha de salto. Se fosse um pouco mais preciso, teria batido o recorde mundial em Pequim. No feminino, a colombiana Caterine Ibargüen chega ao Rio com o título mundial e melhor marca no ano com o salto de 14,90 m em Pequim.

LANÇAMENTO DE DARDO

O queniano Julius Yego promoveu uma das maiores surpresas do Mundial de Atletismo ao ganhar a medalha de ouro no dardo. Primeiramente porque os atletas de seu país não tinham tradição neste tipo de prova - foi o primeiro ouro do Quênia sem ser nas provas de corrida. Depois, porque além de ficar no lugar mais alto do pódio, fez uma marca incrível, a terceira maior da história, ao arremessar a 92,72 m de distância. No feminino, o destaque é a Checa Barbora Spotáková, campeã olímpica em Pequim (2008), Londres (2012) e que vai tentar o tricampeonato no Rio de Janeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.