Divulgação - 2014
Divulgação - 2014

Santiago e Buenos Aires disputarão por sede do Pan de 2023

Não há um favoritismo claro entre as cidades da América do Sul

Estadão Conteúdo

01 Fevereiro 2017 | 17h34

Depois de muito debate interno, o Comitê Olímpico do Chile conseguiu convencer o governo da presidente Michelle Bachelet e Santiago será mesmo uma das candidatas a receber os Jogos Pan-Americanos de 2023. O prazo de apresentação das pré-candidaturas se encerrou às 23h59 de terça-feira e, pelas informações disponíveis, só Buenos Aires e Santiago se apresentaram.

A decisão pela candidatura de Santiago só foi tomada na terça-feira. Neven Ilic, presidente do comitê olímpico, e novo ministro do Esporte do Chile, Pablo Squella, foram os responsáveis por lançar a candidatura e convencer o governo a abraçá-la. Antes, o ministério da Fazenda havia negado a possibilidade.

Até 30 de abril, os candidatos devem depositar um cheque de US$ 500 mil na conta da Organização Desportiva Pan-Americana, a Odepa, apresentando também os detalhes da candidatura. Ilic é um dos cinco candidatos à eleição presidencial da entidade, no dia 26 de abril, e tentará desbancar o favorito Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB).

"Agora o que vamos fazer é sentar o mais cedo possível para fazer o desenho da candidatura. O que fiz foi apresentar a carta de intenção da candidatura e há um prazo até 30 de abril, onde as cidades devem apresentar formalmente seu projeto, conforme toda a regulamentação e o caderno de encargo de Odepa", comentou Ilic ao site chileno Emol.

A candidatura de Santiago caiu como uma ducha de água fria em Buenos Aires, que decidiu pela candidatura na semana passada e que acreditava na possibilidade de não ter concorrentes. 

Pelo menos por enquanto, não há um favoritismo claro entre as duas cidades da América do Sul. Buenos Aires terá a experiência de organizar os Jogos Olímpicos da Juventude no ano que vem, enquanto Santiago realizou com sucesso os Jogos Sul-Americanos, em 2014. Naquele ano, porém, era ampla favorita na eleição pelo Pan de 2019, mas acabou sendo derrotada por Lima, no Peru.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.