Sede do beisebol na Olimpíada não deve ser mantida

As estruturas construídas para a disputa do beisebol nos Jogos Olímpicos de Pequim não devem ser mantidas por falta de interesse pelo esporte. Ainda não apareceram programas para a manutenção das arenas e, com isso, devem ser substituídos por outros projetos.

AE-AP, Agencia Estado

26 de dezembro de 2008 | 09h19

A sede do beisebol para a última Olimpíada possui shopping e 5 mil lugares para estacionamento, mas não tem interessado aos chineses. "Algumas pessoas ligadas ao beisebol nos visitaram, mas ninguém realmente apresentou uma proposta", afirmou Jessica Guo, diretora da empresa responsável pelo terreno.

Ela ainda lamente a falta de interesse pelo esporte. "O mercado do beisebol não está lá. Não acho que haverá propostas sérias. Não pode ser uma proposta para vir uma ou duas vezes por ano para jogar", completou. O beisebol foi retirado do programa para os Jogos Olímpicos de Londres/2012 e tenta retornar em 2016.

Tudo o que sabemos sobre:
OlimpíadaPequimbeisebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.