Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Segurança dos Jogos de 2016 deve custar pelo menos R$ 750 milhões

Operação da Olimpíada será baseada na Copa e será paga pelo Ministério da Justiça e pela Secretaria de Segurança do Rio

Marcio Dolzan, O Estado de S. Paulo

04 de fevereiro de 2015 | 16h57

A comissão responsável por planejar todo o esquema de segurança dos Jogos Olímpicos de 2016 foi constituída oficialmente nesta quarta-feira, no Rio. Formada por aproximadamente 30 órgãos federais, estaduais e municipais, a Comissão Estadual de Segurança Pública e Defesa Civil para os Jogos Rio 2016 (Coesrio2016) contará com investimentos dos três entes de governo e pretende operar de modo semelhante ao empregado durante a Copa do Mundo.

O investimento necessário para garantir a operação dos Jogos ainda não está definido, mas pelo menos R$ 750 milhões partirão dos cofres do Ministério da Justiça e da Secretaria Estadual de Segurança. "Queremos repetir o momento de sucesso que foi durante a Copa", declarou o secretário extraordinário de Segurança para Grandes Eventos do Ministério da Justiça, Andrei Augusto Passos Rodrigues.

"Aproveitaremos todo o investimento feito na Copa do Mundo, mas é claro que estamos falando de um evento de outra dimensão. Já fizemos ano passado investimentos de R$ 100 milhões, e também faremos em 2015 e 2016. O valor aproximado é de R$ 350 milhões nos três anos", explicou Rodrigues.

O governo do Estado prevê gastos em torno de R$ 400 milhões, mas o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, frisou que o custo não será exclusivo para a Olimpíada. "Claro que vamos ter investimentos específicos para os Jogos, mas temos que ter investimentos para o Estado. Investindo no Estado teremos (segurança) para o evento. Não podemos investir para um evento que chega hoje e vai embora amanhã'', destacou.

Até a Olimpíada, Beltrame pretende contratar 62 mil novos policiais militares - mas não assegurou que conseguirá cumprir a meta. Os novos PMs se juntariam ao efetivo atual e às todas as demais forças de segurança, que agirão de forma integrada nos Jogos Olímpicos, como ocorreu na Copa do Mundo.

Segundo a Coesrio2016, novos equipamentos de segurança já vêm sendo adquiridos. Uma das novidades será a compra de balões estacionários que transmitirão imagens em alta definição para o Centro de Integrado de Comando e Controle. "Eu estimo que estará em uso antes dos Jogos", declarou Andrei Rodrigues. Segundo ele, será a primeira vez que o sistema será usado no País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.