Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

Segurança na região portuária para Olimpíada terá 500 agentes e 1.400 câmeras

Secretário estadual de Segurança, José Mariano Beltrame, admite que local tem 'potencial' para dar problemas

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2016 | 21h06

Organizada pelo Ministério da Justiça, a segurança no Boulevard Olímpico contará com 500 agentes e 1.400 câmeras de monitoramento durante os Jogos. O esquema é considerado um dos principais desafios da Olimpíada, especialmente pelo Boulevard sediado na região portuária, porque a área não é cercada e não haverá pontos de bloqueio para revistar as pessoas.

"É um dos lugares que podem potencialmente dar problema", avaliou o secretário estadual de Segurança, José Mariano Beltrame. Na área, atuarão integrantes das polícias Federal, Civil e Militar, guardas municipais e vigilantes particulares. O esquema de vigilância ainda contará com algumas câmeras instaladas em barcos ancorados na região portuária.

"Essas imagens chegam aos nossos ambientes de operação de comando e controle e, a partir daí, coletando os demais dados e informações do nosso policial de inteligência que está em campo, nós podemos tomar uma decisão operativa mais eficaz", afirmou o secretário extraordinário de Segurança para Grandes Eventos, Andrei Rodrigues.

A pasta está subordinada ao Ministério da Justiça. Na região portuária, haverá também uma delegacia móvel da Polícia Civil e um Centro de Controle Móvel, para a Polícia Militar e as demais forças de segurança concentrarem o monitoramento.

Além da circulação de milhares de pessoas, outra preocupação decorre do fato de a pira olímpica permanecer exposta no Boulevard. A polícia não descarta que ela seja alvo de ataques, como tem sido durante a passagem da tocha pelos municípios brasileiros.

Durante a Copa do Mundo, em 2014, também houve um espaço com telão e shows musicais no Rio - a Fifa Fan Fest, nas areias de Copacabana (zona sul). Mas aquela área era cercada e o público, submetido a revista na entrada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.