Issei Kato/Reuters
Issei Kato/Reuters

Seleção australiana de softbol é a primeira a chegar no Japão para os Jogos Olímpicos

Equipe passa por todos os protocolos contra a covid-19 e vai se estabelecer na cidade de Ota, a 100 quilômetros de Tóquio

Harumi Ozawa e Mathias Cena, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2021 | 11h52

As jogadoras da seleção australiana de softbol chegaram ao Japão nesta terça-feira, 1º, tornando-se a primeira equipe olímpica a pousar no arquipélago para os Jogos de Tóquio, que continuam gerando polêmica em meio à pandemia. O avião em que as atletas e comissão técnica viajaram pousou no aeroporto de Narita, perto de Tóquio, pouco antes das 7h30 no horário local. Os atletas chegaram ao terminal do aeroporto com um sorriso e acenaram para a imprensa antes de passarem por um teste de detecção do covid-19.

A equipe australiana, com uniforme verde e amarelo, partiu logo em seguida para se estabelecer na cidade de Ota, 100 quilômetros a noroeste de Tóquio, onde funcionários do hotel esperavam do lado de fora exibindo uma bandeira australiana. Assim como os demais participantes dos Jogos Olímpicos, programados para 23 de julho a 8 de agosto, as australianos passarão por um rígido protocolo de saúde, apesar de terem sido vacinadas e terem feito um teste antes de embarcarem na viagem. A equipe treinará no local e deve disputar partidas contra times locais para se preparar melhor para a Olimpíada.

"Sabemos que passaremos por muitos testes contra covid, mas estamos preparadas para isso", disse Jade Wall, uma das jogadoras do 'Aussie Spirits', como a seleção é conhecida. "Queremos tomar todas as precauções possíveis para garantir a nossa segurança e a dos outros quando chegarmos e durante a nossa estadia", acrescentou.

A seleção final de 15 jogadoras para a competição será anunciada no início de julho. A expectativa é que a equipe vá à Vila Olímpica no dia 17 de julho e jogue a partida de abertura contra o Japão no dia 21 de julho, dois dias antes da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos.

Dezenas de cidades que deveriam receber equipes estrangeiras no Japão desistiram devido à situação sanitária. Mas o prefeito de Ota, Masayoshi Shimizu, disse nesta segunda-feira que sua cidade estava orgulhosa de "oferecer seu apoio para mostrar sua amizade" e manter laços com a Austrália. Os planos para partidas contra times locais foram cancelados, embora a cidade espere organizar as atividades pela Internet.

Para evitar o risco de infecção, a equipe australiana terá apenas um andar de hotel, onde as jogadoras poderão usar a academia, comer e relaxar. "Tudo o que rodeia os treinos será limitado, mas vamos oferecer o maior apoio possível para que estejam nas melhores condições", acrescentou o prefeito. As jogadoras "só vão deixar o hotel para ir e voltar do campo de treinamento", disse David Pryles, diretor australiano de softbol.

A modalidade não faz parte do programa olímpico desde 2008 e estará ausente nos Jogos de Paris, em 2024. Então Tóquio será a única chance para muitas jogadoras lutarem pelo título olímpico. A Austrália sempre conquistou uma medalha no softbol em competições anteriores.

A chegada das atletas ao Japão "nos ajudará a perceber que os Jogos estão se aproximando", disse o porta-voz do governo japonês, Katsunobu Kato, na segunda-feira. Atletas e funcionários japoneses que participam das Olimpíadas começarão a se vacinar na terça-feira, muito antes do resto do país. A campanha de vacinação está muito atrasada no Japão, onde apenas cerca de 2,5% da população recebeu duas doses da vacina Pfizer/BioNTech.

Além disso, 10 dos 47 departamentos no Japão permanecem em estado de emergência de saúde. O governo japonês e os responsáveis ​​pela organização dos Jogos garantem que eles serão realizados de forma "segura". O Comitê Olímpico Internacional garantiu que mais de 80% dos moradores da Vila Olímpica serão vacinados. A maioria da população japonesa se opõe à comemoração dos Jogos neste verão e, segundo várias pesquisas, prefere que sejam cancelados ou adiados novamente, hipótese que os organizadores descartam.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.