Kohei Chibahara / AFP
Kohei Chibahara / AFP

Seleção feminina de futebol joga bem e empata com a Holanda por 3 a 3 nos Jogos Olímpicos de Tóquio

Diante de uma das candidatas à medalha, equipe de Pia reage, chega a virar o jogo e agora só precisa de um empate para avançar às quartas de final

Redação, O Estado de S. Paulo

24 de julho de 2021 | 10h13

No grande teste da fase de grupos, a seleção brasileira feminina de futebol empatou com a Holanda por 3 a 3, neste sábado, 24, em Miyagi, nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Com o resultado, as duas rivais lideram o Grupo F com quatro pontos. China e Zâmbia, que empataram por 4 a 4, somam um ponto.

O resultado deixa a seleção brasileira muito perto das quartas de final. Agora só será preciso um empate no último jogo, diante da Zâmbia. O jogo será na próxima terça-feira, às 8h30, em Saitama. O time brasileiro só não avança se houver uma grande zebra.

Com boa atuação de Ludmila, que entrou no segundo tempo, o Brasil controlou boa parte do jogo diante a vice-campeã mundial, atual campeã europeia e uma das favoritas à disputa por medalha. A atacante Marta fez seu terceiro gol em Tóquio e chegou ao seu 13º na história olímpica. A camisa 10 se aproxima de Cristiane, artilheira máxima dos torneios olímpicos com 14.

O Brasil começou a partida em dificuldades. A Holanda conseguiu a vantagem no placar no primeiro ataque, aos 2 minutos. Erica tentou se antecipar na disputa com Viviane Miedema, mas perdeu. A holandesa girou e finalizou bem para abrir o placar. Belo gol da artilheira na falha de marcação do Brasil no centro da área.

Mesmo com certa lentidão na saída da defesa para o ataque, o Brasil soube reagir e conseguiu criar boas jogadas para tentar empatar. Teve posse de bola, aproveitando os espaços dados pelo time holandês. A mobilidade do ataque, principalmente com Debinha, conseguiu confundir a defesa rival. Esse setor se mostrou o ponto fraco da atual campeã europeia e vice mundial.

Essa boa atuação levou ao empate aos 15 minutos. Após boa jogada na linha de fundo de Duda, Debinha chutou rasteiro para igualar. O gol foi a consequência de uma bela atuação da atacante que é a artilheira da “era Pia” com 14 gols.

O Brasil apresentou problemas na parte defensiva, principalmente pelo lado direito. Foi em cima da zagueira Bruna Benites, improvisada como lateral, que a Holanda mostrou seu grande poder ofensivo. O Brasil respondia na força da jogada aérea. A virada quase veio no final do primeiro tempo com bela cabeçada da Rafaelle.

A técnica Pia Sundhage conseguiu mudar o panorama da partida com as substituições no segundo tempo. A entrada de Ludmila no lugar de Bia Zaneratto, por exemplo, deixou a seleção mais veloz, com maior mobilidade pelo lado direito. Sempre levando vantagem sobre a marcação, Ludmila fez com que o Brasil sempre rondasse a área rival. 

A Holanda fez o segundo gol quando estava acuada na partida. Após cruzamento, Miedema fez de cabeça – a goleira Bárbara falhou. Novamente, a atacante levou vantagem e chegou aos 74 gols com a camisa laranja. Principal opção ofensiva do Brasil, Ludmila sofreu pênalti, convertido por Marta. A camisa 10 se aproxima do posto de maior artilheira da história olímpica. Ela só precisa de mais gol para igualar a marca de Cristiane, que tem 14 gols e não foi convocada. 

Aos 22 minutos, Ludmila conseguiu carimbar de vez sua boa atuação marcando seu próprio gol. Na falha da zagueira Nouwen, que atrasou mal, Lud driblou a goleira Van Veenendaal e marcou. Quando o Brasil se preparava para recuar as linhas de marcação para atuar no contra-ataque, a Holanda busca a igualdade. Em bela cobrança de falta, Jannsen colocou no ângulo da goleiro Bárbara. Mérito da holandesa. 

FICHA TÉCNICA

HOLANDA 3 X 3 BRASIL

HOLANDA - Van Veenendaal; Wilms, Van der Gragt, Nouwen e Janssen; Roord, Vand de Donk e Groenen; Van de Sanden (Beerenstein), Miedema (Pelova) e Martens. Técnica: Sarina Wiegman

BRASIL - Bárbara, Bruna Benites, Érika, Rafaelle e Tamires; Formiga (Angelina), Andressinha, Duda (Andressa Alves) e Marta (Geyse); Bia Zaneratto (Ludmila) e Debinha. Técnica: Pia Sundhage

GOLS - Miedema, aos 2 e Debinha, aos 15 minutos do 1º tempo; Miedema, aos 13, Marta, aos 19 e Ludmila, aos 22 e Janssen, aos 33 do segundo tempo

ÁRBITRA - Kate Jacewicz (Austrália).

CARTÕES AMARELOS - Van der Gragt, Roord e Ludmila.

LOCAL -  Miyagi Stadium.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.