Wilton Junior
Wilton Junior

Seleção feminina de futebol se prepara para superar desconfiança da torcida

Jogadoras mostram foco na busca do ouro

Marcio Dolzan e Nathalia Garcia, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2016 | 05h00

Primeira equipe brasileira a estrear nos Jogos Olímpicos do Rio, a seleção feminina de futebol joga na próxima quarta-feira, diante da China, esperando que a desconfiança que paira sobre o futebol brasileiro não afete o humor da torcida que for ao Engenhão. Mas a zagueira Érika afirmou que, caso isso aconteça, a seleção estará preparada: "Fomos orientadas a isso."

Envolta em polêmicas fora de campo e com desempenho pífio nos gramados, a seleção masculina sofre intensa pressão para conquistar o ouro olímpico. Sem os mesmos holofotes, a equipe feminina espera contar com o apoio massivo da torcida em busca de seu primeiro título de maior relevância, mas diz estar preparada caso esse apoio não aconteça.

"A gente está preparada para tudo. Independente de qual pressão vier, nós vamos saber absorver da melhor maneira e executar", disse a jogadora, logo após circular pela área internacional da Vila Olímpica.

"O Brasil é um só, mas também não podemos esquecer que o futebol feminino é um e o masculino é outro. Torcemos muito para eles, para que dê tudo certo, e que tragam o ouro. A gente conhece alguns jogadores e eles falam que também estão torcendo demais para a gente. Mas tem várias comparações que é melhor deixar de lado", afirmou Érika.

A jogadora do Paris Saint-Germain acredita que a conquista do ouro olímpico é o título mais esperado. "A gente considera a Olimpíada a competição mais importante. A galera sempre fala que tem o Mundial, mas para a gente (o mais importante) é a Olimpíada. Não tem como. Há muita pressão, ansiedade, mas é uma ansiedade gostosa. Se não houver a gente tem de parar de jogar futebol."

Para a atacante Bia, o lugar mais alto do pódio nos Jogos pode alavancar o futebol feminino no País. "Esperamos que, com o ouro, a gente consiga essa mudança. A gente muitas vezes acaba tendo de ir para fora (do País) para conquistar algo maior para a família", comentou a jogadora, que atua no futebol coreano. "Essa medalha vai favorecer muito."

PARTICIPE

Quer saber tudo dos Jogos Olímpicos do Rio? Mande um WhatsApp para o número (11) 99371-2832 e passe a receber as principais notícias e informações sobre o maior evento esportivo do mundo através do aplicativo. Faça parte do time "Estadão Rio 2016" e convide seus amigos para participar também!

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.