EFE
EFE

Seleção feminina de vôlei cai no grupo de Rússia e Japão no Rio

Time de José Roberto Guimarães luta pelo tri olímpico

Estadão Conteúdo

23 de maio de 2016 | 11h13

A seleção brasileira feminina de vôlei já conhece quais serão as suas primeiras adversárias na luta pelo tricampeonato olímpico. Nesta segunda-feira, com o encerramento no dia anterior do torneio qualificatório, a Federação Internacional de Voleibol divulgou os grupos da competição, colocando a Rússia na mesma chave da seleção dirigida por José Roberto Guimarães, em chaveamento definido pelo ranking da entidade.

O Brasil lidera o Grupo A por ser o país-sede da Olimpíada. A chave também conta com Japão, Coreia do Sul, Argentina e Camarões, além das russas. A Rússia foi adversária do Brasil nas últimas três edições dos Jogos, tendo conquistado uma dramática vitória nas semifinais de 2004. Depois, porém, as brasileiras se vingaram com triunfos em 2008, por 3 a 0, na fase de grupos, e um emocionante 3 a 2 nas quartas de final em Londres, há quatro anos.

A Coreia do Sul foi semifinalista nos Jogos de Londres, perdendo a disputa do bronze exatamente para o Japão. Na fase de grupos, a seleção sul-coreana conseguiu uma surpreendente vitória por 3 sets a 0 sobre o Brasil e agora voltará a encontrar as bicampeãs olímpicas no Rio. Já Argentina e Camarões vão participar pela primeira vez da Olimpíada.

O Grupo B do vôlei feminino nos Jogos do Rio vai ser composto por Estado Unidos, China, Sérvia, Itália, Holanda e Porto Rico. Assim, a chave terá o repetição da decisão do Mundial de 2014, em que a seleção norte-americana superou a chinesa, que em 2015 venceu a Copa do Mundo.

O torneio de vôlei feminino dos Jogos do Rio ainda não teve a tabela da fase de grupos divulgada. Os quatro primeiros colocados de cada grupo se classificam às quartas de final. A partir daí, as equipes se enfrentam em jogos eliminatórios até a definição da seleção campeã olímpica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.