Gaspar Nóbrega/COB
Gaspar Nóbrega/COB

Seleção masculina de vôlei oscila, mas estreia com vitória sobre a Tunísia na Olimpíada de Tóquio

Equipe brasileira iniciou defesa do título olímpico na capital japonesa vencendo por 3 sets a 0

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2021 | 01h53

A seleção brasileira masculina de vôlei iniciou a defesa do título olímpico, conquistado nos Jogos do Rio-2016, com oscilações e vitória na madrugada deste sábado, pelo horário de Brasília. Demonstrando certo nervosismo, o time nacional abusou dos erros no começo dos dois primeiros sets, mas se recuperou rapidamente para vencer a Tunísia por 3 sets a 0, com parciais de 25/22, 25/20 e 25/15, em sua estreia na Olimpíada de Tóquio.

Com o triunfo, o Brasil desponta na liderança do Grupo B. A seleção volta à quadra para enfrentar a Argentina na segunda-feira (pela manhã, no horário de Brasília). Depois os adversários serão, pela ordem, Rússia, Estados Unidos e França. Somente os quatro primeiros colocados de cada um dos dois grupos avançam às quartas de final. 

Wallace foi o maior pontuador do jogo deste sábado, com 13 pontos, ao lado do tunisiano Wassim Ben Tara. "Nos enrolamos um pouco no primeiro e também no segundo. No terceiro, deslanchamos. Esperamos conseguir fazer jogos muito melhores que este", comentou Wallace, em entrevista ao canal SporTV ao fim da partida.

A partida marcou o retorno do técnico Renan Dal Zotto à beira da quadra, comandando a equipe. Ele não participou diretamente da conquista da Liga das Nações, no mês passado, porque ainda se recuperava das complicações da covid-19 que colocaram sua vida em risco durante uma internação de 36 dias.

Totalmente reabilitado, após duro processo de recuperação física, Renan escalou a seleção neste sábado com Wallace, Leal, Isac, Lucão, Bruninho, Lucarelli e o líbero Thales. Mas, apesar da boa experiência do grupo, a equipe fez um início de jogo irreconhecível. Cometia erros bobos, hesitava em momentos importantes e via a Tunísia tomar conta do primeiro set.

Com Isac no saque, a reação enfim começou a descontar a vantagem dos rivais, que chegou a ser de quatro pontos. Os brasileiros empataram em 16 a 16 e viraram no ponto seguinte. Ganhando embalo, passaram a se impor em quadra e fecharam a primeira parcial.

Parecia que a seleção engrenava no jogo. Mas o segundo set repetiu o roteiro do primeiro. Mais erros e oscilação. O time brasileiro parava nos bloqueios tunisianos e na boa atuação de Tara. Renan, então, fez as primeiras trocas no time. Colocou Cachopa, Douglas e Alan Souza. Douglas se destacou mais, ao substituir o hesitante Leal. E a seleção finalmente ganhou corpo em quadra. O fim do segundo set foi mais tranquilo do que o primeiro.

Na terceira parcial, a seleção começou na frente, pela primeira vez no jogo. Abriu 3/0, aumentou para 12/3 e manteve vantagem de dez pontos até fechar o set e o jogo. Renan aproveitou a atuação mais sólida na equipe na última parcial para testar Maurício Borges no lugar de Lucarelli.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.