Divulgação
Divulgação

Seleção masculina quer dar o penúltimo passo rumo ao ouro olímpico

Brasil aposta na solidez defensiva para chegar à decisão

Almir Leite, O Estado de S. Paulo

17 Agosto 2016 | 05h00

Penúltimo passo rumo ao inédito ouro olímpico. É assim que a seleção está encarando a partida de hoje contra Honduras, às 13h no Maracanã, pela semifinal do torneio masculino do Rio-2016. Um passo considerado difícil mas que, se for dado, levará o Brasil para sua quarta final da história, e a segunda seguida depois da prata em Londres-2012.

Confiança não falta, embora exista o reconhecimento de que Honduras pode se tornar perigosa. “Ninguém chega a uma semifinal de Olimpíada por acaso”, resume o técnico Rogério Micale. De fato, os hondurenhos deixaram a Argentina pelo caminho e depois, nas quartas, despacharam a Coreia do Sul, consideradas favoritas.

Mas o time brasileiro embalou após vitórias convincentes sobre Dinamarca (4 a 0) e Colômbia (2 a 0), tem uma defesa que ainda não sofreu gols, é a única invicta e um sistema de jogo ofensivo que vem melhorando a cada partida.

Micale deve repetir a escalação das duas últimas vitórias. Se optar por ser mais precavido, pode tirar um atacante, no caso Gabriel Barbosa, e colocar um volante, Thiago Maia. Essa é uma alternativa também para o decorrer do jogo.

O técnico pede, e confia que será atendido, a mesma dedicação tática então demonstrada. Com a posse de bola que jogadas em velocidade, deslocamentos, tabelas. Sem ela, marcação sob pressão na saída de bola do adversário e ajuda dos homens que jogam pelos lados aos laterais, encurtando o espaço.

E, como em todas as ocasiões anteriores, pediu apoio da torcida que for o Maracanã, mesmo porque acredita que o confronto desta tarde será um “jogo de muita paciência”. O Brasil espera uma seleção de Honduras rápida nos contra-ataques, usando a força física de seus jogadores e que vai tentar desestabilizar emocionalmente os jogadores brasileiros.

“Não podemos cair na pilha. Temos de manter o foco, trabalhar a bola, não querer apressar as coisas. Temos de nos manter tranquilos para criar chances e concluir”, disse Gabriel Jesus.

Mais conteúdo sobre:
Olimpíada RIo 2016 Futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.