Sharapova confirma que não disputará os Jogos de Pequim

'Dói muito dizer que vou ter de perder a Olimpíada', diz a russa após se machucar o ombro em Montreal

Agência Estado,

31 de julho de 2008 | 20h11

A Olimpíada de Pequim perdeu uma de suas grandes estrelas nesta quinta-feira. A tenista russa Maria Sharapova anunciou nesta quinta-feira que não vai mais disputar a competição, por causa de uma lesão no ombro direito. Quem esperava vê-la brilhando nas quadras chinesas terá de procurar uma outra tenista para torcer. "Dói muito dizer que vou ter de perder a Olimpíada", lamentou a musa em seu site oficial. Sharapova reclama de dores no ombro desde março, no torneio de Indians Wells, na Califórnia. Apesar da vitória sobre a polonesa Marta Domachowska, na quarta-feira, por 2 a 1 (7/5, 5/7 e 6/2), em Montreal, a russa foi obrigada a abandonar a competição após uma série de exames. "Depois do jogo de ontem (quarta), eu sabia que tinha algo grave de errado com meu ombro", revelou a tenista, que sofreu duas rupturas nos tendões. Nos primeiros exames realizados, suspeitava-se de uma lesão mais grave, no nervo. "Mas após os testes de manhã, eles (os médicos) deram uma diferente resposta para um diferente problema", contou a russa. "É algo que preciso de tempo para me recuperar." Sharapova lamentou que a lesão tenha aparecido com gravidade a poucos dias dos Jogos. "Fico mais triste ainda por isso." No jogo desta quarta, o primeiro desde a derrota para Alla Kudryavtseva, em Wimbledon, Sharapova foi atendida duas vezes para amenizar as dores no ombro. A partida foi desgastante - cerca de três horas - e com certeza piorou a lesão da atleta. Número 3 do mundo, Sharapova lutaria por pontos no ranking mundial na Olimpíada - essa é a primeira vez que a WTA e a ATP resolveram contar pontos nos Jogos. Por isso mesmo os melhores tenistas do mundo resolveram jogar em Pequim, ao contrário das edições anteriores. A sérvia Ana Ivanovic, número 1, sua compatriota Jelena Jankovic, a número 2, e as irmãs Williams são as favoritas ao ouro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.