REUTERS/Mike Blake
REUTERS/Mike Blake

Simone Biles impressiona em apresentação de pódio e repete movimento único em Tóquio

Americana da ginástica promete ser novamente a estrela dos Jogos Olímpicos, atraindo atenção da imprensa, voluntários e até adversários

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2021 | 08h45

Ginasta dos Estados Unidos e principal atração da Olimpíada de Tóquio, Simone Biles deu um verdadeiro show no treino de pódio realizado nesta quinta-feira, no Centro de Ginástica Ariake. Com seus apenas 1,45 m, a dona de quatro ouros olímpicos mostrou toda sua grandeza ao chamar a atenção do ginásio inteiro. No próximo domingo, às 3h10 (horário de Brasília), Biles inicia mais uma campanha certamente vencedora. Mas mesmo antes disso, ela já criou expectativas e impressionou repórteres, voluntários e competidores ao completar em seu último salto o Yurchenko duplo mortal carpado, exercício de maior dificuldade no esporte e considerado muito perigoso para mulheres.

Criado pela russa Natalia Yurchenko nos anos 1980, o movimento normalmente para em um único giro, mas Biles decidiu tornar a manobra mais difícil adicionando um segundo giro. A técnica da seleção americana, Aimee Boorman, preferiu não confirmar se a vencedora de 19 medalhas mundiais vai repetir o famoso movimento na competição oficial, realizado apenas uma vez em maio desse ano no U.S Classic, torneio de verão americano para ginastas de elite. "Ninguém esperava que ela fizesse isso no treino", disse Boorman. 

ACOMPANHE O AO VIVO DOS JOGOS OLÍMPICOS DO ESTADÃO

Simular uma competição faz parte da programação oficial do esporte e é o único momento de testar as condições das barras e do solo. A rigidez do aparelho, o local adequado para iniciar um salto, além do impacto do solo são algumas das avaliações feitas pelos competidores. Biles é tão 'fora da curva' que aproveitou a oportunidade para comprovar que pode fazer qualquer movimento que desejar. A única coisa que a impede de arriscar mais é a possibilidade de se machucar e não acumular mais ouros no currículo. 

Acompanhada pelas câmeras e por rivais intrigados com sua habilidade, a ginasta errou pouco no ensaio que fez antes das disputas. Começou a preparação no solo e beirou à perfeição. Ao som de uma música instrumental com base techno, recebeu aplausos de outras delegações presentes no centro de treinamento. Depois, saltou em seis oportunidades, errando em apenas uma delas. Irritada com a imprecisão, a atleta compensou ao acertar o Yurchenko duplo mortal carpado no fim. Nas barras assimétricas, onde não tem tanto favoritismo, não deixou a desejar e rendeu no padrão Simone Biles. 

Totalmente à vontade no Japão, a maior estrela dos Jogos Olimpícos encerrou seu treino na trave. Brincou com as companheiras, gargalhou e teve apenas um pequeno desequilíbrio na parte final da apresentação, que pouco importou. Até porque, como ela mesma disse na última terça, “estou tentando me vencer”.

A recordista de medalhas em campeonatos mundiais, com 25, ganhou seu próprio emoji especial no Twitter, fazendo parte de uma ação que consagra atletas-destaques. Um bode (menção à palavra ‘goat’, que em inglês é usada também para dizer ‘Greatest of All Time’, ou, na sigla, G.O.A.T) com roupas de ginasta e uma medalha de ouro surgem assim que as hashtags #SimoneBiles ou #Simone forem publicadas pelos usuários. Aos 24 anos, a lenda é a primeira mulher e atleta olímpica a ser homenageada dessa maneira. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.