Bruno Riganti
Bruno Riganti

Skatistas olímpicos festejam patrocínio e mudança de cenário na modalidade

Inclusão do esporte nos Jogos de Tóquio atrai patrocínios para a modalidade

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2019 | 17h18

Quatro skatistas brasileiros cotados para representar o País nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 e com chances de pódio foram anunciados nesta quarta-feira como novos patrocinados da BV, a marca de varejo do Banco Votorantim. Rayssa Leal e Kelvin Hoefler, do street, e Yndiara Asp e Murilo Peres, do park, vão receber um apoio financeiro por um ano, com possibilidade de renovar por mais um.

"Fiquei muito feliz com esse apoio e pelo diferencial da parceria, que incentiva a gente a realizar projetos. Minha meta a longo prazo é poder desenvolver o mercado do skate no Brasil. Tenho ideias para tentar revitalizar pistas, até porque o skate foi minha escola de vida", afirmou Murilo Peres.

Os valores de patrocínio não foram revelados. A intenção da BV é ajudar atletas promissores e expandir a plataforma que foi lançada em novembro do ano passado unindo esporte e educação por meio da inclusão. "O skate está vindo de uma transição de estilo de vida para competição e é uma modalidade que tem muito pouco apoio fora do meio", explicou Gabriel Ferreira, diretor executivo do Banco Votorantim.

A presença da instituição financeira numa modalidade de esporte radical evidencia o momento do skate no mundo. Após entrar no programa olímpico, ele está pulando os muros da comunidade do skate e chamando a atenção de grandes empresas de outros setores da economia.

"O fato de o skate entrar na Olimpíada faz ele ser mais respeitado e visto por outros olhos. É muito bom esse apoio de marcas fora do skate, que ajuda a nos dar suporte para viver disso. Está melhorando bastante e vejo até pessoas mais velhas, que antes tinham certo preconceito, começam a te admirar. O cenário está mudando", comemora Yndiara Asp.

Além do quarteto do skate, a BV apoia institutos de nomes que fizeram história no esporte nacional, como Serginho Escadinha e Ana Moser (vôlei), Flávio Canto (judô), Marcelinho Machado (basquete), Mauro Menezes (tênis) e Bob Burnquist (skate). Para este ano, o foco será nesses seis projetos. "Mas com certeza daremos apoio para outras verticais no futuro, mas não agora", avisou Ferreira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.