Brian Snyder/Reuters
Brian Snyder/Reuters

Sob olhares de Torben e Scheidt, Jorge Zarif vence a primeira regata do Mundial

Disputa do Mundial de Classes Olímpicas, que vale vagas aos países nos Jogos de Tóquio-2020, continua nesta sexta-feira

Estadão Conteudo

02 Agosto 2018 | 16h36

Um dos principais nomes da vela brasileira na atualidade, Jorge Zarif começou muito bem a disputa da classe Finn no Mundial de Classes Olímpicas, na baía de Aarhus, na Dinamarca. Sob os olhares do seu novo treinador Robert Scheidt e do coordenador técnico Torben Grael, o velejador venceu a primeira regata pela flotilha amarela e lidera a classificação geral com apenas 1 ponto perdido - ao lado do croata Josip Olujic, vencedor da flotilha azul.

+ Coordenador na vela, Torben Grael vê boas chances para o Brasil em Mundial

A disputa do Mundial de Classes Olímpicas, que vale vagas aos países nos Jogos de Tóquio-2020, continua nesta sexta-feira, a partir de 7 horas (de Brasília), com provas nas classes Finn, 470 (feminina e masculina) e a estreia da Laser e da Laser Radial.

Jorge Zarif foi acompanhado de perto pelos dois maiores medalhistas olímpicos do esporte do Brasil. Com cinco pódios cada, Torben Grael e Robert Scheidt viram as regatas do bote da equipe técnica. "Apesar de ser um velejador jovem, é bastante experiente. Já disputou duas Olimpíadas e, além do quarto lugar no Rio-2016, título mundial e vitórias em Copa do Mundo, veleja na Finn desde os 16 anos e sabe regular o barco, deixá-lo veloz. A minha função é ajustar pequenos detalhes para que ele suba alguns degraus", informou Scheidt, que completou. "Estou tentando ajudá-lo a administrar os riscos de uma competição grande como esta, orientando na raia, nos procedimentos antes da largada, na estratégia das regras e, acima de tudo, tentando mantê-lo focado na competição e ao mesmo tempo calmo".

Confiante na classificação para Tóquio e uma boa participação de Jorge Zarif em 2020, Robert Scheidt ainda não definiu se dará sequência às atividades como treinador após o Mundial. "Minha prioridade ainda é velejar. Nesta ano tenho o Sul-Americano de Star em novembro, no Rio, o SSL Finals, em dezembro, em Nassau (Bahamas), além da vela oceânica na TP52. Desta forma, não tenho temos um plano fixo para depois da Dinamarca, mas se conseguir encaixar, seguirei ajudando. Aceitei o convite do Jorginho porque, além de contribuir para a evolução de um atleta Top, posso retribuir para o Brasil e para a vela tudo o que recebi. Quero repassar o conhecimento que acumulei de tantos anos", completou.

OUTRAS PROVAS

O dia também foi de disputa nas classes 470 feminina e masculina. Os brasileiros Henrique Haddad e Felipe Brito aparecem em 11.º lugar (6 pontos perdidos) e Geison Mendes e Gustavo Thiesen estão em 19.º (10 p.p.). Na disputa das mulheres, a medalhista olímpica Fernanda Oliveira e a proeira Ana Barbachan ocupam a 18.ª colocação (37 p.p.).

As regatas serão disputadas até o próximo dia 12 de agosto. A competição reúne as 10 classes do programa dos Jogos de Tóquio-2020: RS:X masculina, RS:X feminina, Laser, Laser Radial, Finn, 470 masculina, 470 feminina, 49er, 49er FX e Nacra 17. Além disso, haverá disputa também no kiteboard (feminino e masculino), como demonstração.

As campeãs olímpicas Martine Grael e Kahena Kunze, da 49er FX, entram na água a partir deste sábado. As regatas de medalha (medal races) estão previstas para ocorrer a partir da próxima quinta-feira.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.