Soberana, China encerra Jogos Paraolímpicos com grande festa

Em festa no Ninho de Pássaro, chineses comemoram a marca de 211 medalhas e a derrocada dos Estados Unidos

Redação,

17 de setembro de 2008 | 10h40

Os chineses promoveram uma grande festa nesta quarta-feira no Ninho de Pássaro para encerrar a maior edição da história dos Jogos Paraolímpicos. Mais de 4.200 atletas de 148 países competiram ao longo de 11 dias em 20 modalidades. Veja também: Em nono, Brasil tem o melhor resultado da história Bate-Pronto: O significado da Paraolimpíada  Mais imagens - Confira as emoções da festa de encerramento Dona da festa, a China mostrou ao mundo sua impressionante evolução no esporte. Além de ter superado os Estados Unidos na Olimpíada, os chineses não deram qualquer chance aos rivais na Paraolimpíada e terminaram com a impressionante marca de 211 medalhas. O desempenho dos chineses não é recorde na história dos Jogos Paraolímpicos. Os Estados Unidos já conquistaram mais medalhas nas edições de 1984 (396 pódios) e em 1988 (273 pódios). No entanto, a China mostrou que ainda continuará na ponta por um bom tempo. Para se ter uma idéia da superioridade chinesa, a soma das medalhas do segundo e terceiro colocados, Grã Bretanha (102 pódios) e Estados Unidos (99 pódios), respectivamente, não é suficiente para desbancar a China da liderança do quadro. Na organização da Olimpíada e da Paraolimpíada, a China não investiu somente na construção de grandes obras como o Cubo D'Água e o Ninho de Pássaro. Os chineses montaram um verdadeiro centro de formação de campeões para brilhar em casa. A evolução chinesa na Paraolimpíada pôde ser acompanhada ao longo das últimas edições. Em 1996, nos Jogos de Atlanta (EUA), a China ocupou o nono lugar do quadro de medalhas com 39 pódios no total. Quatro anos depois, em Sydney (AUS), eles já eram o sexto, com 73. Em Sydney, aliás, começou a derrocada dos Estados Unidos. Acostumados a serem os soberanos na Paraolimpíada, os norte-americanos perderam a liderança para a Austrália depois de 20 anos no topo. Em 2004, em Atenas, quando todos esperavam uma recuperação norte-americana, a China deu mostras do que apresentaria em 2008, quando liderou o quadro de medalhas da Paraolimpíada pela primeira vez na história, com 141 medalhas. E o rendimento dos chineses, para desespero dos norte-americanos, foi melhor do que se esperava. A China obteve um crescimento de 49,5% em relação a Atenas e fechou a Paraolimpíada com um gostinho especial. A chama da pira paraolímpica se apagou em Pequim, mas a emoção da competição estará presente nos chineses por um longo tempo. O fogo, agora, caminha em direção a Londres. E em 2012, os britânicos precisarão muito mais do que sorte para bater a China. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.