Sonhando com vaga, David Moura sabe como bater Teddy Riner

O judoca David Moura ainda não sabe se estará nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, no ano que vem, mas já sabe como derrotar o francês Teddy Riner, uma das lendas do esporte, caso venha a enfrentá-lo no tatame carioca. Pelo menos é o que garante o judoca brasileiro, da categoria acima de 100kg, faltando oito meses para a grande competição.

FELIPE ROSA MENDES, Estadão Conteúdo

26 de dezembro de 2015 | 14h45

"Dá para ganhar dele. Ele não perde há muito tempo, é verdade. Por isso tem que fazer algo diferente e é nisso que estou trabalhando. O judô é um jogo, o tatame escorrega pra todo mundo e não vejo ele como alguém impossível de ser batido, vejo como algo bem possível", afirma Moura, que enfrentou Riner apenas uma vez e levou a pior, no Mundial de Cheliabynsk, na Rússia, em 2014.

Foi apenas uma das 79 vitórias que o francês acumulou desde 2010, ano em que sofreu sua última derrota. O judoca de 26 anos é heptacampeão mundial, quebrando seguidos recordes e exibindo um domínio acachapante em sua categoria nos últimos anos. É ainda o atual campeão olímpico - foi bronze nos Jogos de Pequim-2008.

Por tudo isso, Riner é visto como quase imbatível no judô atualmente e favorito absoluto a buscar a medalha de ouro no Rio de Janeiro. David Moura, contudo, discorda disso. E avisa que vem estudando com cuidado o estilo do rival para vencê-lo no próximo ano.

"Eu tenho várias estratégias para enfrentá-lo. Acredito que a luta de chão é onde existe a maior possibilidade de eu ganhar dele. Estou treinando muito. O meu mestre é o Flavio Canto, que foi considerado o maior judoca de chão de todos os tempos. E está me ajudando muito nisso. É difícil jogar o Teddy Riner de costas, mas trazer para o chão eu já sei que consigo. Depois que estiver no chão, meu objetivo é finalizá-lo", explica o judoca.

Antes do grande confronto, David Moura precisa, é claro, garantir sua vaga na Olimpíada. Para tanto, precisa superar o compatriota Rafael "Baby" no ranking olímpico e ainda tem que convencer a Confederação Brasileira de Judô (CBJ) de que está em melhores condições de representar o Brasil na categoria acima de 100kg.

Isso porque o ranking não será o único critério utilizado pela CBJ para definir os judocas no Rio-2016. A entidade deve considerar também a experiência e o melhor momento vivido por cada atleta às vésperas da grande competição. No momento, Moura leva vantagem por ter melhor ranking - ocupa o 12º lugar, com 1.247 pontos, contra o 14º de Rafael, com 1.111 - e está em atividade há mais tempo nestes últimos meses.

Rafael está afastado das competições desde junho, quando sofreu uma lesão no músculo peitoral e foi cortado da seleção brasileira que disputou os Jogos Pan-Americanos. Foi com sua ausência que Moura despontou na equipe. Ele aproveitou a chance e foi campeão olímpico em Toronto. Desde então, vem acumulando resultados positivos no circuito mundial. Rafael tem como vantagem os pódios que conquistou nos Jogos de Londres-2012 e nos Mundiais de 2013 e 2014.

David Moura reconhece a experiência do rival, mas acredita que terá mais chances de chegar ao pódio no Rio de Janeiro. "O fato de o Rafael ter sido medalhista olímpico e mundial mostra que é um atleta excepcional. Mas agora eu estou começando a provar que também sou. Acho que a confederação e todo mundo quer aquele atleta que estiver melhor preparado para conquistar uma medalha porque quem já conquistou não necessariamente vai ter condições de conquistar de novo. Tudo é cíclico, tudo passa e estou treinando para que este seja o meu momento", diz o judoca.

Enquanto aguarda a definição da CBJ, que só sairá no fim de maio, Moura segue sonhando com um possível confronto com Riner na final olímpica. "Agradeço a Deus por ter um cara como ele na categoria. Imagina ser campeão olímpico em cima dele? É só correr para o abraço. Já tô sonhando com isso há algum tempo. Não é um sonho ''viajado''. É um sonho com um pouco de realidade porque eu treinei bastante com ele, já competi com ele", afirma Moura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.