Técnico da Argentina diz que atropelou o Brasil

Sergio Batista afirma que vitória sobre a equipe de Dunga foi legítima e muito justa

EFE

19 de agosto de 2008 | 14h16

O técnico Sergio Batista, da seleção olímpica argentina de futebol masculino, disse nesta terça-feira que a vitória de 3 a 0 de sua equipe sobre o Brasil pelas semifinais do torneio, nos Jogos Olímpicos de Pequim, foi "merecida, já que jogou uma grande partida e passou por cima dos brasileiros".     Veja também:  Imprensa argentina tripudia brasileiros por 'vitória fácil'  Brasil foi 'pequeno' e Ronaldinho ficou isolado, diz Maradona  Brasil perde para a Argentina e sonho do ouro olímpico termina A campanha brasileira na Olimpíada de Pequim Vote: Dunga deve permanecer no comando da seleção?   "A Argentina jogou hoje [terça-feira] com muita inteligência e personalidade. Sabíamos que o Brasil poderia optar por nos esperar em seu campo e que deveríamos ter paciência, e não ter pressa no ataque. Acho que os sufocamos o tempo todo", declarou Batista.   "Jogamos uma grande partida em todos os sentidos e em todos os setores do campo. Foi um resultado muito justo", acrescentou o treinador, que elogiou ainda o atacante Sergio Agüero, autor dos dois primeiros gols e que sofreu o pênalti no lance do terceiro.   "Estou muito feliz por Agüero, porque confio muito nele, que nunca desistiu, continuou treinando e hoje [terça-feira] fez dois gols. Espero que no sábado, na final contra a Nigéria, ele tenha uma atuação como a de hoje [terça]", acrescentou.   Sobre a decisão do ouro, Batista adiantou que a Argentina só começará a pensar na partida na quarta-feira, já que agora deve "comemorar a grande vitória" contra o Brasil.   O jogo contra a Nigéria representará a reedição da final do torneio olímpico de 1996, em Atlanta, na qual os africanos venceram de virada por 3 a 2, com um gol de Amunike no último minuto.   Apesar daquela derrota, Batista espera que os jogadores "não tomem esta decisão como uma revanche e continuem fazendo o mesmo que até agora: jogar e ganhar".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.