Temer foi informado que suspeitos fugiram para o Paraguai e autorizou ida de ministro

Operação Hashtag prendeu dez brasileiros, mas dois ainda estão foragidos

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2016 | 16h53

O presidente em exercício, Michel Temer, foi informado que os dois foragidos que estão com mandados de prisão expedidos pela Justiça teriam fugido para o Paraguai e autorizou a ida do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, ao país vizinho para iniciar uma possível negociação de deportação. 

 

De acordo com interlocutores do governo, toda cautela no trato das relações diplomáticas é importante. Além disso, por se tratar de uma operação de segurança é preciso ainda mais zelo com vazamentos de informações que podem prejudicar as investigações e até a prisão. Segundo uma fonte da segurança do governo, uma publicação no Facebook foi usada de alerta para os suspeitos que teriam conseguido fugir. 

 

Ontem, a Política Federal deflagrou a Operação Hashtag, que investiga possível participação de brasileiros em uma “célula terrorista” que poderia estar ligada ao Estado Islâmico (EI) e dez brasileiros foram presos, mas dois ainda estão foragidos. O ministro da Justiça já está no Paraguai, mas oficialmente foi ao país vizinho tratar sobre uma operação conjunta de combate ao tráfico de drogas. 

 

O governo sabe da preocupação com a “falha” na prisão dos dois suspeitos, já que a Operação de ontem foi considerada bem-sucedida, mas o fato de integrantes do grupo virtual chamado “Defensores da Sharia” estarem soltos pode comprometer toda a segurança e criar situações de embaraçosas na comunidade internacional.  

 

Com uma agenda apenas de despachos internos, Temer reuniu-se duas vezes nesta sexta-feira com o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen. A primeira foi pela manhã no Palácio do Planalto para avaliar as atualizações em relação a Operação Hastag. 

 

O segundo encontro aconteceu agora à tarde, no Palácio do Jaburu, onde além de atualizações sobre a operação, Temer e Etchegoyen avaliaram os episódios de violência em Munique, na Alemanha. O governo ainda espera um desenrolar da situação para se manifestar. Na semana passada, após o atentado em Nice, na França, o governo divulgou de uma nota de repúdio ao atentado, que deixou mais de 80 mortos.  

 

Segundo interlocutores, Temer também teve um encontro rápido com o ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira, antes da divulgação do relatório de despesas e receitas. A conversa foi apenas entre os dois. O presidente em exercício passa o fim de tarde no Jaburu. Conforme revelou a Coluna do Estadão de hoje, Temer tem reclamado do ritmo intenso de trabalho e, segundo interlocutores, deve passar o fim de semana em Brasília, sem compromissos oficiais.  (Carla Araújo e Tânia Monteiro)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.