Temer realiza reunião de emergência para discutir segurança na Olimpíada

Presidente em exercício recebe ministros e representantes das Forças Armadas no Palácio do Planalto

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2016 | 17h36

O presidente em exercício, Michel Temer, iniciou uma reunião de emergência no Palácio do Planalto nesta sexta-feira, por volta das 16h30, para discutir a segurança nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Participam do encontro o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sérgio Etchegoyen; o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha; o chefe do Estado-Maior conjunto das Forças Armadas, Almirante Ademir Sobrinho; o ministro interino da Justiça, José Levi; e o secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores, Marcos Galvão. O ministro da Defesa, Raul Jungmann, que estava inicialmente previsto para comparecer a reunião não está presente. Ainda não há definição se haverá coletiva de imprensa no fim do encontro. 

Temer antecipou sua volta de São Paulo para Brasília para discutir mudanças na segurança nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, após o atentado de Nice, na França. 

Mais cedo outras duas autoridades do País anunciaram que o esquema de segurança para os Jogos do Rio de Janeiro deve mudar. Primeiro, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sérgio Etchegoyen, afirmou que o governo revisará ações de segurança e irá tomar "uma série de novas providências" para o evento esportivo na capital fluminense. Em função do ataque em Nice ter sido realizado com o atropelamento de civis por um caminhão, "postos de controle, barreiras e restrições de trânsito" serão implementados, afirmou Etchegoyen. 

Horas depois, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, reforçou que as medidas atuais de segurança serão revistas. O chefe da pasta anunciou que 3.200 militares de diversos Estados ficarão de prontidão para se dirigirem ao Rio em caso de alguma emergência. 

Também em face dos atentados em Nice, o Comitê Olímpico Internacional (COI) divulgou uma nota na qual afirma que o governo brasileiro está fazendo "de tudo para garantir a segurança antes e durante o evento". O comunicado ainda diz que "a segurança dos Jogos é responsabilidade das autoridades locais e não temos dúvidas de que eles vão prever medidas extras se considerarem necessário". E completou: "Eles são os especialistas e temos total confiança de que vão tomar as medidas apropriadas para realizar Jogos seguros em 2016". 

Com informações de Luciana Nunes Leal, Julia Lindner e Jamil Chade, correspondente em Genebra. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.