DIV
DIV

Tenório quer mais um pódio na sua última Paralimpíada

Judoca, que se despede no Rio, acumula quatro medalhas de ouro e um bronze em seis edições dos Jogos

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2016 | 05h00

O maior nome do judô paralímpico brasileiro fará neste sábado sua última participação em Jogos Paralímpicos. A partir das 10h, Antônio Tenório entra no tatame da Arena Carioca 3 pela fase classificatória da categoria até 100 kg. Se avançar, fará a final à tarde em busca de seu quinto ouro.

Tenório começou a praticar judô aos 8 anos de idade. Ele perdeu a visão do olho esquerdo aos 13, devido a um descolamento de retina, e aos 19 ficou totalmente cego. Aos 21, começou a competir no parajudô, e então partiu para uma carreira repleta de sucesso.

Ele foi o primeiro judoca da história a vencer quatro edições consecutivas dos Jogos Paralímpicos. Tenório conquistou seu primeiro ouro nos Jogos de Atlanta-1996, nos EUA, e foi imbatível até Pequim-2008, na China. Há quatro anos, perdeu a semifinal, mas saiu de Londres com um bronze.

Agora, aos 45 anos, ele vai para seu último ato em Paralimpíadas querendo encerrar sua participação com mais uma medalha. “Minha expectativa é a mesma e a ansiedade é a mesma. Estou chegando para lutar por um lugar no pódio, respeitando todos os adversários. Quero representar bem o meu país”, disse Tenório, que ainda pretende disputar um mundial antes de se aposentar definitivamente dos tatames.

Prata. Ontem, Lúcia Teixeira conquistou a primeira medalha da modalidade para o Brasil nos Jogos Paralímpicos do Rio-2016. Ela superou duas rivais na fase classificatória e terminou com a prata, ao perder a decisão para a ucraniana Inna Cherniak na categoria até 57 kg.

Foi a segunda medalha de Lúcia, que também foi prata em Londres. Mas a atleta de 35 anos ainda quer mais. “Vou para mais um ciclo paralímpico. São quatro anos para tentar mudar a cor da medalha, de preferência para o ouro”, disse a judoca.

No último ano, Lúcia ganhou destaque nacional após um vídeo da Rio-2016 viralizar na internet. Nas imagens, a judoca, que é cega, lutou com atletas homens e mulheres que enxergavam e derruba todos eles.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.