Dusan Vranic|AP
Dusan Vranic|AP

Teresa Edwards e Lisa Leslie são fenômenos entre as mulheres

A seleção feminina de basquete dos Estados Unidos também teve a sua versão do Dream Team. Liderada pelas fenomenais Teresa Edwards e Lisa Leslie, a equipe manteve a hegemonia na modalidade. Para muitos críticos, as duas seriam uma espécie de versão feminina de Michael Jordan e Magic Johnson.

O Estado de S. Paulo

31 de março de 2016 | 07h00

Em dez edições olímpicas do basquete feminino, as norte-americanas ganharam sete vezes. Com exceção de Londres-2012, em todas as outras conquistas a dupla fora de série estava presente.

O destaque fica para o primeiro lugar obtido em Atlanta-1996, quando as excepcionais Paula e Hortência, campeãs mundiais em 1994, não foram páreo para o espetacular time dos Estados Unidos, que venceu facilmente por 111 a 87. O duelo foi uma revanche para as norte-americanas, derrotadas, por 110 a 107, pelas brasileiras dois anos antes na semifinal do Mundial.

Lisa Leslie, uma pivô esguia de 1,96 metro e 77 quilos, aliava técnica na condução de bola, arremesso preciso e muita força. Em 2002, com a camisa do Los Angeles Sparks, ela foi a primeira jogador a enterrar em uma partida válida pela WNBA, principal liga de basquete feminino dos EUA.

Dona de um físico privilegiado e um domínio de bola impressionante, Teresa Edwards jogou durante toda a sua carreira em alto nível. Ela abandonou as quadras aos 40 anos, quando atuava pelo Minnesota Lynx, equipe da WNBA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.