Terrorismo deve ampliar articulação de inteligência para Rio-2016, diz embaixador

Os ataques terroristas que ocorreram na sexta-feira em Paris não aumentam os riscos à população ou a chefes de Estado no Brasil durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. No entanto, a tragédia intensifica a articulação entre os serviços de inteligência daqui e de outros países num esforço de reforçar a segurança durante o evento, avaliou o embaixador Celso Amorim, ex-ministro da Defesa e das Relações Exteriores.

DANIELA AMORIM, Estadão Conteúdo

16 de novembro de 2015 | 14h13

"Eu acho que isso já estava havendo e acho que a tendência vai ser aumentar mesmo esse tipo de articulação e de coordenação. Isso muito provavelmente ocorrerá", disse Amorim, após participar de um evento na Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Rio.

Amorim lembrou que um ato terrorista durante a Maratona de Boston de 2013, nos Estados Unidos, fez aumentar a preocupação e articulação internacional sobre o esquema de segurança para a realização da Copa do Mundo, disputada no ano seguinte, no Brasil.

"Eu acho que funcionou bem na Copa do Mundo. Obviamente, eliminar os riscos 100% nunca existe. Mas não creio (em ameaça terrorista na Olimpíada)", avaliou o ex-ministro, que liderava a pasta da Defesa à época. "Claro que ninguém pode ficar confiando que Deus é brasileiro, que aqui não acontece nada. Mas também não creio que a possibilidade aumentou de uma maneira notável por causa disso."

O embaixador defendeu que o Brasil esteve atento a possíveis atos terroristas na Copa do Mundo e que fará o mesmo durante os Jogos Olímpicos. Segundo ele, esse tipo de evento não tem a mesma característica dos ataques ocorridos na França.

"Foi um evento justamente muito espalhado, não foi só direcionado. Embora um deles tenha ocorrido próximo de onde estava o presidente (François) Hollande, na realidade não teve alvo. O alvo foi o povo", declarou Amorim. "Eu tenho confiança que a Olimpíada aqui serão um sucesso como a Copa do Mundo, que, com exceção do lado de dentro do campo, foi um sucesso para nós".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.