AFP
AFP

‘Tio coruja’, Oscar Schmidt pediu medalha a Bruno em vídeo antes dos Jogos

Craque do basquete fez história nos Jogos Olímpicos, mas não subiu ao pódio

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2016 | 05h48

Um dos maiores jogadores brasileiros de basquete de todos os tempos, Oscar Schmidt viveu uma madrugada de torcedor na Arena de Vôlei de Praia do Rio-2016, em Copacabana, zona sul do Rio. O jogador comemorou a medalha de ouro do sobrinho Bruno Schmidt ao lado de Alison no vôlei de praia.

Minutos antes da partida, ele já estava posicionado na tribuna de imprensa como comentarista da emissora Fox Sports. Na baia ao lado, o irmão Tadeu Schmidt, da TV Globo, também se posicionava para a partida.

Depois da vitória, Oscar passou rapidamente pela zona mista, onde os atletas dão entrevistas após as partidas, comemorando o ouro. O Mão Santa, entretanto, preferiu ser discreto e deixar os holofotes para o sobrinho campeão, saindo sem dar entrevistas. “Não vou falar nada, ele está vindo aí”, disse apenas.

Na véspera dos Jogos, Bruno contou que recebeu um vídeo do tio pedindo que ele levasse a medalha para casa. Maior cestinha da história do basquete, Oscar participou de cinco edições de Jogos Olímpicos, mas não subiu ao pódio.

Depois das entrevistas, a família Schmidt ainda ficou por um bom tempo na arena. O pai de Bruno, Luiz Fernando Schmidt, disse que o fato de ser sobrinho de Oscar não era encarado pelo filho como fator de pressão ou um peso.

“Não, talvez por eles atuarem em esportes diferentes. Ele sempre viu o Oscar como exemplo de um cara dedicado ao treinamento e ao esporte, um ídolo, alguém em quem se espelhar”, contou.

A mulher de Bruno, Laís Badaró, falou da angústia dos últimos dias, em que o marido ficou várias noites sem dormir. “Foi aquele momento tão perto, tão longe. Foram os momentos mais difíceis da vida dele. Ele não conseguia comer nem dormir direito. Ele passou a desligar o celular. Costumávamos nos falar apenas 15 minutos depois do treino dele e quando ele estava no ônibus no caminho de volta para a Vila, depois do treino, já mais relaxado”, relatou.

Os dois planejam ter um filho no próximo ano. “Ele disse que só ia ser pai depois que fosse campeão olímpico. Agora já é. Promessa é dívida”, brincou ela. Os dois se conheceram em Vitória, no Espírito Santo, e estão juntos há 11 anos. / M.D.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.