Tocha desfila em estádio da Indonésia apenas para convidados

A tocha olímpica foi apresentada em umestádio fortemente protegido em Jacarta, nesta terça-feira,após a polícia ter barrado cerca de 100 manifestantesanti-China que pretendiam atrapalhar o revezamentointernacional da chama pela Indonésia. O astro do badminton do país e campeão olímpico TaufikHidayat acendeu uma pira diante do público em festa, enquanto2.500 policiais e 1.000 militares faziam a segurança do local. A passagem da tocha por cidades da Europa e dos EstadosUnidos foi marcada por muitos protestos contra a repressãochinesa ao Tibet no mês passado. Cerca de 80 atletas, autoridades e artistas de filmes etelevisão participaram do revezamento de 7 km. Mais cedo, houveum confronto entre policiais e manifestantes do lado de fora daentrada principal do Estádio Bung Karno. "Estou muito orgulhoso por participar disso. Esperoconquistar a medalha de ouro, como fiz quatro anos atrás",disse Hidayat após acender a pira. O revezamento inicialmente passaria pelas largas avenidasda cidade, mas autoridades esportivas decidiram depoisrestringir o trajeto ao estádio Bung Karno. "Eu quero ver a passagem, mas a polícia não me deixou. Oseventos olímpicos deveriam ser para todos verem, e nãoexclusivos", disse Myrna Chandra, estudante de 21 anos. Cerca de 5.000 convidados e membros credenciados daimprensa foram convidados para assistir ao revezamento dentrodo complexo esportivo. "Eu queria que todos vissem, mas eles (organizadoreschineses) estavam muito temerosos", disse à Reuters o ministrode Esportes e Juventude indonésio, Adhyaksa Dault. "Não há nada que pudéssemos fazer porque não somos osorganizadores." A China esperava que o revezamento da tocha pelo mundofosse um símbolo de união na preparação para os Jogos dePequim, mas a chama tornou-se um ímã para protestos anti-China.Em resposta, estudantes chineses no exterior também organizarammanifestações em defesa do país. Os manifestantes em Jacarta, da Sociedade Indonésia peloTibet Livre, gritavam "Tibet Livre" e seguravam cartazes com osdizeres "Olimpíada e crimes contra a humanidade não podemcoexistir". A polícia prendeu um cidadão holandês que participava doprotesto e não portava seu passaporte, disse uma fontepolicial. Outros sete manifestantes foram detidos e depoisliberados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.