Tocha é apagada durante revezamento em Paris

Seguranças apagaram a tocha olímpicanesta segunda-feira durante o revezamento da chama pelas ruasde Paris, onde se repetiram as manifestações contra a repressãoda China no Tibet. Uma fonte policial disse que a tocha foi colocada a bordode um ônibus para protegê-la de centenas de manifestantes poucodepois de sair da Torre Eiffel. Em seguida, a tocha precisou ser apagada por um problematécnico, disse um policial à Reuters. A tocha então foi reacesae o revezamento continuou pelas ruas da capital francesa. Um membro do Partido Verde francês havia sido detido maiscedo pela polícia quando tentou tomar a tocha das mãos doex-campeão dos 400 metros com barreira Stephane Diagana, aprimeira das 80 pessoas que participarão do revezamento datocha em Paris. Escoltado por seguranças, Diagana usava a inscrição "Por mmundo melhor", numa iniciativa do comitê nacional de atletasfranceses. Centenas de manifestantes balançando cartazes se reuniramna praça Trocadero, do lado oposto do rio Sena ao da TorreEiffel, onde o revezamento começou às 7h35 (horário deBrasília). A França destacou mais de 3 mil policiais ao longo dos 28quilômetros do revezamento parisiense da tocha, que se encerrano estádio Charlety, no sul da cidade, onde a tocha deve chegaràs 12h (horário de Brasília). "Boicotem os bens chineses" e "Salve o Tibet" diziam algunsdos cartazes segurados pelos manifestantes, observados pelospoliciais que os impediam de se aproximar do trajeto. "Estamos fazendo nosso melhor, mas dependerá do mundocolocar pressão na China para ajudar a levar democracia edireitos humanos para o Tibet", disse Phurbu Dolker, refugiadotibetano de 21 anos. No sábado, a ministra francesa dos Direitos Humanos, RamaYade, negou que o presidente francês, Nicolas Sarkozy,boicotará a cerimônia de abertura dos Jogos caso a China nãodialogue com o líder espiritual tibetano Dalai Lama. A chama olímpica deve ser um imã para protestos até o dia 6de agosto, quando chegará a Pequim dois dias antes de ser usadapara acender a pira olímpica durante a cerimônia de aberturados Jogos. (Reportagem adicional de Brian Rohan)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.