Tocha olímpica chega a Nova Délhi sob forte segurança

A tocha olímpica chegou ao aeroportode Nova Délhi na quinta-feira (horário local) em meio a umpesado esquema de segurança por temores de que membros da maiorcomunidade de exilados tibetanos possam atrapalhar a cerimôniade revezamento na capital indiana. A tocha, que está a caminho de Pequim para os JogosOlímpicos de agosto, saiu de um avião carregada por SureshKalmadi, chefe da Associação Olímpica Indiana, e foi levada,por uma rota protegida por centenas de policiais, para passar anoite em um hotel de luxo. A polícia deteve cerca de 24 manifestantes tibetanos nocaminho e na frente do hotel. Muitos foram colocados em vãs dapolícia enquanto gritavam palavras de ordem contra a China. Temendo protestos similares aos que aconteceram em outrascidades, a Índia cortou a rota para um terço dos 9 quilômetrosplanejados, restringindo o percurso a um trecho de altasegurança usado no desfile anual do Dia da República.Organizadores ainda não disseram o horário de início dorevezamento de Nova Délhi. Milhares de autoridades policiais e paramilitares irãointegrar a segurança do percurso, que passará perto doparlamento do país e de escritórios de ministérios federais. A Índia tem sido palco de uma onda de protestos de exiladostibetanos desde as recentes inquietações no Tibet. Mesmo com oapoio do Dalai Lama aos Jogos Olímpicos de Pequim, osmanifestantes prometeram atrapalhar a passagem da tocha porNova Délhi. Tibetanos planejam promover um revezamento de tochaparalelo na quinta-feira para protestar contra ações chinesas epedir a independência do Tibet. O Dalai Lama, que reside na montanhas do norte da Índia,pediu que os tibetanos desistissem de interromper o revezamentoda tocha, mas os protestos continuaram. A Índia teve que garantir segurança adequada para a tochadepois que o ministro das Relações Exteriores chinês pediu aoseu equivalente indiano neste mês. Um total de 70 pessoas, incluindo 45 atletas e ex-atletas,carregarão a tocha, que estava no vizinho Paquistão naquarta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.