Tocha Olímpica começa percurso em São Petersburgo

Fogo olímpico, que chegou à cidade na sexta-feira, fará trajeto entre a Praça da Vitória e a Praça do Palácio

Efe

05 de abril de 2008 | 09h30

A chama olímpica começou neste sábado seu percurso pela antiga capital imperial da Rússia, São Petersburgo, terceira etapa do revezamento da tocha pelos cinco continentes. O trajeto do fogo olímpico, que chegou à cidade na sexta-feira, vindo de Istambul (Turquia), começou na Praça da Vitória e terminará na Praça do Palácio, após passar pelos pontos mais emblemáticos da localidade, fundada em 1703 pelo imperador Pedro, o Grande.   A honra do acendimento da tocha e a primeira parte do revezamento ficaram a cargo de Galina Zybina, de 77 anos, campeã olímpica de arremesso de peso nos Jogos de Helsinque (1952).   Após percorrer 250 metros, a veterana entregou a chama ao presidente do Comitê Olímpico da Rússia, Leonid Tiagachov, o segundo dos 80 participantes do revezamento em São Petersburgo.   Entre os que carregarão a tocha olímpica na cidade russa estão Valentina Tereshkova, a primeira mulher cosmonauta, renomados esportistas do passado e da atualidade, além de políticos e atores.   O meia russo Andrey Arshavin, do Zenit, considerado um dos melhores jogadores do país, é um dos que participará do rodízio.   Também farão parte dele o boxeador Nikolay Valuev e a patinadora de velocidade Svetlana Zhurova, medalha de ouro nos Jogos de Inverno de 2006, em Turim.   A chama olímpica foi acesa em 24 de março, na Grécia e, primeiro, seguiu para Pequim, de onde foi levada na terça-feira até Almaty. De lá, viajou a Istambul, para seguir seu caminho até São Petersburgo, de onde seguirá para Londres.   O fogo olímpico passará por 22 cidades dos cinco continentes antes de retornar à China, em 4 de maio. Depois, a tocha percorrerá 113 cidades de 31 províncias chinesas e voltará a Pequim até o dia 8 de agosto, data da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos deste ano.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008Tocha Olímpica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.