Tocha olímpica é celebrada na sua chegada à Muralha da China

Em dos seus mais tradicionais cartões postais, chineses demonstram patriotismo e orgulho por sediar os Jogos

Paul Majendie e Andrew Cawthorne, Reuters

06 de agosto de 2008 | 22h14

A chama olímpica subiu a Grande Muralha da China, nesta quarta-feira, encoberta pela névoa da manhã, cercada de simbolismo ao se aproximar do final de sua tortuosa jornada pelo mundo. O que deveria ser uma demonstração do orgulho e da unidade da China, acabou sendo palco de manifestantes, principalmente contra a situação do Tibete. A última manifestação aconteceu na própria Pequim, nessa quarta-feira. O pequeno protesto perto do principal estádio olímpico foi ofuscado pelo patriotismo que cercou o desfile da tocha pela capital chinesa. A cena se repete agora na Muralha da China, cercada por voluntários em uniformes amarelos, acenando bandeiras vermelhas até onde os olhos podiam alcançar. A multidão recebeu uma chuva de confete durante a passagem da tocha, com a sinuosa muralha e grandes montanhas como pano de fundo, em um local próximo a Pequim. "Houve alguns problemas com a tocha, mas agora é hora de festa", disse Weng Chengyu, estudante de 28 anos. "Você vê tudo isso? Isso mostra o quanto os chineses amam as Olimpíadas." Um modelo de dragão gigante coroou uma das torres de observação, com as montanhas ao fundo. "Nós viajamos por muitas cidades, de Olímpia até a Grande Muralha. Nós choramos muitas vezes, isso tudo é muito emocionante, especialmente quando você vê a reação da multidão chinesa", disse Xiaohong Lu, que acompanhou toda a jornada da tocha pelo mundo. A tocha deve fechar o dia de volta no centro de Pequim, em Ditan, no Templo da Terra, outro ponto da antiga China imperial.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.