Tocha olímpica passa por Omã sem incidentes

Próxima parada será em Islamabad, no Paquistão, na quarta-feira; expectativa de manifestações contra a China

Agência Estado

14 de abril de 2008 | 19h27

A tocha olímpica teve mais um dia de tranqüilidade. Nesta segunda-feira, durante sua única parada no Oriente Médio durante a corrida de revezamento pelo mundo, ela passou por Mascate, capitão de Omã, onde não foram registrados incidentes e nem protestos significativos contra o governo chinês.Veja também: O trajeto completo do revezamento da tocha pelo mundo  Os protestos e a ligação histórica com os Jogos Olímpicos A passagem da tocha acesa pelos nazistas  Tibetanos na Índia planejam percurso para protesto anti-tocha  Em nome da Olimpíada, Pequim investe contra poluidores A passagem da tocha olímpica tem sido utilizada por manifestantes de todo o mundo para protestar contra o governo chinês, principalmente com relação aos direitos humanos e ao Tibete. Foi assim em Londres, Paris e São Francisco, cidades onde houve violência, confusão e quase nenhuma festa.Mas nas últimas três paradas dessa viagem mundial, o clima foi diferente. Em Buenos Aires (Argentina), Dar-es-Salaam (Tanzânia) e Mascate não aconteceram incidentes significativos. De qualquer maneira, mesmo sem a previsão de protestos, a capital de Omã teve segurança reforçada nesta segunda-feira para receber a tocha olímpica.O efetivo de segurança, no entanto, nem teve muito trabalho em Omã, um país de maioria muçulmana que tem fortes relações econômicas com a China. O que se viu nas ruas de Mascate foi a população feliz pela passagem da tocha, com várias crianças saudando o símbolo olímpico pelo trajeto de 20 quilômetros, além de algumas apresentações características do país, com dança e música.Agora, o próximo passo da tocha olímpica será em Islamabad, no Paquistão, onde acontecerá a corrida de revezamento na quarta-feira. Mas, preocupado com possíveis protestos contra o governo chinês, os paquistaneses anunciaram nesta segunda algumas mudanças do percurso pelas ruas da capital do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.