Tocha olímpica tibetana pela liberdade chega à Suíça

Acesa nesta sexta-feira, símbolo do protesto tibetano corre paralelo ao fogo olímpico

EFE,

25 de abril de 2008 | 13h53

A chamada tocha tibetana pela liberdade, que corre o mundo paralelamente ao fogo olímpico, foi acesa nesta sexta-feira, 25, em uma geleira na cidade suíça de Zermatt. O símbolo foi aceso em frente ao monte Cervino, segundo mais alto dos Alpes e famoso entre os que fazem parte do território suíço, como informou a agência de notícias nacional Ats. Veja também: O trajeto completo do revezamento da tocha pelo mundo Japão recebe tocha olímpica com fortes medidas de segurança Campanha pretende captar 100 mil doadores para Jogos  Interpol vê possibilidade de ataque terrorista durante Jogos "Zermatt e o Cervino foram escolhidos por serem importantes símbolos da Suíça no exterior", explicou o presidente do autodenominado Comitê Olímpico Tibetano, Wangpo Tethong. Durante a cerimônia, realizada a 2.582 metros de altitude, foram proclamados cantos nacionais e o hino do Tibete. O ciclista Rigzin Gyaltag, natural da região, fez o juramento olímpico. No sábado, a tocha sairá em frente ao Palácio Federal de Berna (sede do Governo) rumo a Lausanne, sede do Comitê Olímpico Internacional (COI), antes de partir para a Dinamarca. O movimento começou em 10 de março, na Grécia e terminará no Tibete em 8 de agosto, dia da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim. Segundo os organizadores, o fogo passará por 50 cidades nos quatro continentes. Por sua vez, a organização pró-direitos humanos Anistia Internacional (AI) anunciou que na próxima terça-feira, 29, entregará uma carta com mais de 24.000 assinaturas aos funcionários da embaixada da China na Suíça. O documento manifesta preocupação pela situação dos direitos humanos no país-sede dos Jogos.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008tocha olímpicaChinaTibete

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.