Tocha percorre Hong Kong com mais simpatizantes que protetos

Uma estudante pró-Tibete precisou ser escoltada pela polícia para não ser agredida pela população

Associated Press,

02 de maio de 2008 | 05h01

A tocha olímpica começou a percorrer nesta sexta-feira, 2, Hong Kong, com mais simpatizantes do que manifestantes com bandeiras tibetanas e cartazes, que exigiam democracia e respeito aos direitos humanos na China. O que mais atrapalhou o percurso foi a constante chuva fina. Veja também O trajeto completo do revezamento da tocha pelo mundo Cobertura completa de Pequim 2008 Cerca de 30 simpatizantes olímpicos entraram em choque com policiais que rodeavam uma estudante enrolada em uma bandeira tibetana. A polícia colocou Christina Chan, de 21 anos, em um veículo policial para protegê-la da multidão que a insultava. A windsurfista local Lee Lai-Shan foi a primeira a carregar a tocha, e foi seguida por outras 119 pessoas, entre atletas, empresários, políticos e artistas. A chama finalmente está de volta ao território chinês, e Pequim não desejava uma repetição dos protestos e caos ocorridos na saída da tocha para o revezamento por 20 países. A população foi convidada a usar roupas vermelhas para mostrar seu apoio a tocha e cerca de 3 mil policiais foram destacados para protegê-la. O líder de Hong Kong Donald Tsang começou o revezamento com um discurso na cerimônia no Porto Victoria. "Somos um mundo en uma cidade, onde pessoas com crenças e pontos de vista diferentes prosperam em uma espírito de diversidade, tolerância e respeito", declarou Tsang. Ele disse ainda que a tocha, que continua sua rota pela China até chegar em Pequim, nos próximos três meses "continuará iluminando o caminho de unidade e paz para todas as pessoas e todas as nações".

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008Hong Kongtocha olímpica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.