Franck Robichon/EFE
Franck Robichon/EFE

Tóquio-2020 pode ser cancelado se pandemia não for controlada, diz Comitê Organizador

Segundo o presidente Yoshiro Mori, Olimpíada não pode ser adiada novamente; evento esportivo já havia sido remarcado para julho de 2021

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2020 | 07h10

Os Jogos de Tóquio-2020, atualmente adiados para 2021, serão cancelados se a pandemia do novo coronavírus não for controlada, disse o presidente do Comitê Organizador, Yoshiro Mori, em entrevista ao jornal japonês Nikkan Sports nesta terça-feira, dia 28. Mori explicou que a Olimpíada não pode ser adiada novamente.

Na última quinta, o presidente do Comitê já havia enfatizado que "pensando nos atletas e nos problemas que isso colocaria para a organização, é tecnicamente difícil adiá-lo dois anos". A pandemia forçou um primeiro adiamento dos Jogos Olímpicos, quando a data de abertura foi remarcada para o dia 23 de julho de 2021.

Yoshiro Mori disse que a batalha contra o vírus é uma "luta contra um inimigo invisível" e lembrou que, até hoje, o evento esportivo só foi cancelado devido à guerra. Se a pandemia for controlada com sucesso, "organizaremos a Olimpíada em paz no próximo ano", disse Mori. "A humanidade aposta nisso."

Os organizadores e o governo japonês insistem que a Olimpíada pode ser uma oportunidade para mostrar o triunfo do mundo sobre o novo coronavírus, mas há quem pense que o atraso de um ano não é suficiente. Será "extremamente difícil" sediar os Jogos no próximo ano se uma vacina não for descoberta, alertou o presidente da Associação Médica do Japão, Yoshitake Yokokura.

Na semana passada, um médico especialista japonês, que criticou a resposta do país ao coronavírus, disse estar "muito pessimista" com a possibilidade de que a Olimpíada possa ser realizadas em 2021. Por enquanto, o Japão já registrou pouco mais de 13 mil casos de pessoas contaminadas com a covid-19 e cerca de 400 mortes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.