Tribunal arbitral decide briga entre clubes e Fifa sobre Pequim

Entidade dará a última palavra na questão sobre a liberação de jogadores sub-23 para a disputa da Olimpíada

MARK LEDSOM, REUTERS

30 de julho de 2008 | 17h58

O Tribunal Arbitral do Esporte (TAS, na sigla em inglês) será responsável por dar a última palavra a respeito da disputa entre os clubes de futebol e a Fifa sobre a liberação de jogadores para os Jogos Olímpicos de Pequim.   Veja também: Messi insiste em ir aos Jogos sem esperar recurso no TASA mais alta instância da Justiça desportiva mundial informou nesta quarta-feira que recebeu queixas formais dos clubes alemães Werder Bremen e Schalke 04 contra a decisão de Fifa de obrigar a liberação dos brasileiros Diego e Rafinha, respectivamente. O membro do Comitê de Situação de Jogadores da Fifa Slim Aloulou foi escolhido como juiz único do caso pela federação internacional e determinou que os jogadores sub-23 deverão ser obrigatoriamente liberados para os Jogos, segundo comunicado divulgado também nesta quarta-feira. Os dois clubes alemães, entretanto, argumentam que não seriam obrigados a liberar os jogadores para a Olimpíada porque o torneio olímpico de futebol não consta no calendário internacional da Fifa. "Schalke 04 e Werder Bremen apresentaram ambos uma nova queixa ao TAS hoje contra a decisão determinada por um único juiz do Comitê de Situação de Jogadores da Fifa", disse o TAS em comunicado. "Esses dois casos estão atualmente pendentes no TAS." Com o torneio olímpico coincidindo com o início da temporada européia, Schalke e Werder se recusaram a ceder seus jogadores para a seleção brasileira. Diego e Rafinha se apresentaram à equipe à revelia de seus clubes e estão se preparando junto com a seleção brasileira desde a semana passada. O presidente do Barcelona, Joan Laporta, disse nesta quarta-feira que o clube espanhol também pretendia recorrer à TAS para tentar vetar a participação do atacante argentino Lionel Messi na Olimpíada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.