Um dia após ser exonerado, Leyser reassume cargo no Ministério do Esporte

Ricardo Leyser ficou apenas um dia fora do Ministério do Esporte. Após uma péssima repercussão da exoneração do político, que estava há 13 anos na pasta e ocupava a secretaria-executiva, o ministro George Hilton (PRB-MG) anunciou nesta quarta que o técnico ligado ao PCdoB-SP volta à Secretaria de Esporte de Alto Rendimento.

DEMÉTRIO VECCHIOLI, Estadão Conteúdo

18 de novembro de 2015 | 20h36

Com perfil conciliador e há quase 16 anos trabalhando com esporte, Leyser tem bom relacionamento com atletas e dirigentes. Depois de comandar a organização dos Jogos Pan-Americanos de 2007, ele assumiu a secretaria de Alto Rendimento para preparar o esporte brasileiro para os Jogos Olímpicos de 2016. É dele a criação e a execução do Plano Brasil Medalhas, que pretende levar o Brasil ao Top10 de medalhas na Olimpíada.

No início do segundo mandato da presidente Dilma, entretanto, o Ministério do Esporte saiu das mãos do PCdoB, após 12 anos, para ser ocupado pelo PRB. Leyser foi alçado a secretário-executivo e deixou o Alto Rendimento com Ricardo Trade. Mas o ex-CEO da Copa ficou poucos dias no cargo e logo foi para a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV).

Foi a deixa para Hilton levar outros membros do PRB para o alto escalão do ministério. Leyser era secretário-executivo, mas seguia com influência no Alto Rendimento, sob o comando de Carlos Geraldo Santana, ex-presidente da Record News e presidente do PRB de Pernambuco.

Como secretário-executivo, Leyser controlava a distribuição de verbas de emendas, o que teria causado reclamações de dirigentes do PRB à presidente Dilma. Na terça, ele amanheceu exonerado, sem ter sido informado. A notícia repercutiu mal, principalmente porque seu lugar foi ocupado por Marcos Jorge de Lima, um jovem de 36 anos que até então era secretário de Cultura de Roraima e não tem nenhuma experiência com esporte.

Nesta quarta-feira, Hilton e Leyser entraram em acordo e o comunista reassume o Alto Rendimento, voltando a comandar diretamente a preparação esportiva do Brasil para o Rio-2016. Na reestruturação, Carlos Geraldo vai para a Secretaria de Lazer, Educação e Inclusão Social e Evandro Grela, ex-deputado distrital pelo PRB, passa a trabalhar no gabinete de Hilton.

"Com a nova configuração, o ministro considera que o projeto olímpico brasileiro entra na melhor configuração para a reta final de preparação", aponta o comunicado enviado pelo Ministério do Esporte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.