Vela feminina do Brasil conquista 1.ª medalha na história

Na classe 470, Fernanda Oliveira e Isabel Swan vão bem na 'Medal Race' e conseguem o bronze em Pequim

Redação,

18 de agosto de 2008 | 03h35

As brasileiras Fernanda Oliveira e Isabel Swan conquistaram nesta segunda-feira a primeira medalha feminina para o Brasil na história da vela nas Olimpíadas. Na classe 470, elas foram bem na 'Medal Race' (regata da medalha, a última da competição e que vale mais pontos), chegaram em primeiro lugar, e ficaram com o bronze nos Jogos Olímpicos de Pequim. No total, elas registraram 60 pontos perdidos. Veja também:   Galeria de fotos da conquista do bronze  Scheidt e Prada se recuperam e seguem na briga por medalha Após bronze, velejadoras brasileiras já falam em 2012 Fernanda e Isabel vibram com medalha de bronze olímpica Medalhistas da vela viraram empresárias para poder competir A campanha brasileira na Olimpíada de PequimFoi a sexta medalha do Brasil nos Jogos de Pequim, após um ouro e um bronze na natação e três bronzes no judô, e apenas a segunda entre as mulheres - Ketleyn Quadros garantiu o terceiro lugar no judô. As duas comemoraram muito ainda dentro do barco e se jogaram na água, enquanto os membros da equipe brasileira abriam uma bandeira do Brasil no barco de apoio. Com o resultado, a vela empata com o judô no número de medalhas que trouxe para o Brasil em todas as edições dos Jogos Olímpicos (15). Os dois esportes estão na frente do atletismo (13) e d  AS MEDALHAS DO BRASIL NA VELA  1968 - Bronze - Burkhard Cordes e Reinaldo Conrad (Flying dutchman) 1976 - Bronze - Peter Ficker e Reinaldo Conrad (Flying dutchman) 1980 - Ouro - Alex Welter e Lars Björkström (Tornado) Ouro - Eduardo Penido e Marcos Soares (470) 1984 - Prata - Torben Grael, Daniel Adler e Ronaldo Senfit (Soling) 1988 - Bronze - Lars Grael e Clínio Freitas (Tornado) Bronze - Torben Grael e Nelson Falcão (Star) 1996 - Ouro - Robert Scheidt (Laser) Bronze - Lars Grael e Kiko Pelicano (Tornado) 2000 - Prata - Robert Scheidt (Laser) Bronze - Torben Grael e Marcelo Ferreira (Star) 2004 - Ouro - Robert Scheidt (Laser) Ouro - Marcelo Ferreira e Torben Grael (Star)a natação (11).Fernanda e Isabel, que ficaram em quatro lugar no Mundial de 2006, chegaram à capital chinesa como a grande esperança brasileira entre as mulheres para conquistar uma medalha na vela.Elas não decepcionaram e foram bem em quase todas as regatas. Com isso, já chegaram para a 'Medal Race' na terceira colocação. Na regata decisiva, ficaram na frente do barco de Israel, que disputava diretamente a medalha com as brasileiras. A Itália chegou em terceiro na regata da medalha.Também na classe 470, a medalha de ouro foi para a Austrália (Elise Rechichi e Tessa Parkinson), com 43 pontos perdidos, e a Holanda (Marcelien de Koening e Lobke Berkhout) garantiu a prata, com 53 pontos perdidos. As provas da vela nesta Olimpíada são disputada na cidade chinesa de Qingdao.RUMO AO BRONZEFernanda e Isabel chegaram à 'Medal Race' já sem nenhuma chance de conquistar o ouro. Sabendo que a primeira colocação garantiria o bronze, elas partiram para cima das adversárias a chegaram à ponta com muita ousadia.Na hora de contornar a terceira bóia, elas aproveitaram bem o vento e ultrapassaram a dupla da República Checa e de Israel para assumir a liderança. Depois disso, não tiveram mais nenhum problema para garantir a vitória na regata da medalha.CARREIRAA dupla brasileira iniciou há quatro anos seu trabalho para a disputa dos Jogos Olímpicos. As velejadoras montaram uma estrutura, com técnico, fisioterapeuta, nutricionista, planejaram o ciclo olímpico e foram treinar e competir nas principais provas do mundo. Conquistaram a vaga para o Brasil com o 7.º lugar, obtido no Mundial de Cascais, Portugal, em 2007.Isabel, natural do Rio de Janeiro, é bicampeã sul-americana, em 2004 e 2006, e tetracampeã brasileira, em 2004, 2005, 2006 e 2007.Já Fernanda é tricampeã sul-americana na 470, em 2002, 2004 e 2006, e conquistou por 11 vezes os títulos brasileiros, em 1996 e entre 1999 e 2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.