Andrew Boyers/Reuters
Andrew Boyers/Reuters

Vencedor dos 110m em Tóquio agradece mulher que o ajudou a chegar na corrida que lhe deu o ouro

Hansle Parchment pegou o ônibus errado e poderia não ter chegado ao Estádio Olímpico, onde venceu a prova do atletismo

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2021 | 17h59

Hansle Parchment, velocista da Jamaica, conseguiu localizar a mulher que pagou o seu táxi com destino ao Estádio Olímpico, em Tóquio, onde o atleta conquistou a medalha de ouro nos 110m com barreiras. Identificada como Tiana, a voluntária da Olimpíada teve a história contada nas redes sociais de Parchment, que a agradeceu pela gentileza. O atleta aproveitou o encontro no último fim de semana para mostrar a medalha que ganhou. Além disso, deu uma camisa olímpica da Jamaica à voluntária e devolveu o dinheiro que ela havia emprestado.

Antes da foto entre os dois, o jamaicano disse: "Você foi fundamental para que eu chegasse à final naquele dia". Segundo o Sunday Gleaner, jornal da Jamaica, o ministro do turismo do país pretende receber Tiana em uma viagem à ilha caribenha.“Não importa onde ela esteja no mundo, queremos retribuir a gentileza demonstrada a um dos nossos”, disse Edmund Bartlett. 

O campeão dos 110m com barreiras pensava que não chegaria à prova final da categoria, pois pegou o ônibus errado e foi parar no que ele acredita ser um dos locais de competição da natação. Voltar para a Vila Olímpica estava fora de cogitação, e pegar um carro oficial de Tóquio-2020 também. "Eu estava tentando conseguir um dos carros de marca para os Jogos para me levar, mas essas pessoas são muito rígidas e aderem às regras, e eu teria que reservar o carro com antecedência para fazê-lo sair." Foi aí que Parchment encontrou Tiana, a quem ele pediu ajuda. 

“Eu vi essa voluntária e tive que implorar, porque é claro que ela não tem permissão para fazer muito, e ela realmente me deu dinheiro para pegar um dos táxis. E foi assim que fui capaz de chegar ao aquecimento a tempo e tive tempo suficiente para competir", disse o atleta em vídeo.

Antes de Tóquio, o jamaicano não conseguiu vaga para a Olímpiada no Rio e conquistou o bronze em Londres-2012. Apesar de não estar entre os atletas melhores classificados no país e não ter vencido nenhuma prova antes da final, o velocista superou os adversários e marcou 13s04 para levar o ouro no Japão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.