Vento e chuva dispersam nevoeiro em Pequim

Comitê Olímpico cogitou a possibilidade de tomar medidas drásticas caso os níveis de poluição não diminuam

EFE

29 de julho de 2008 | 10h43

Parte do espesso nevoeiro que cobriu Pequim nos últimos dias se dissipou nesta terça-feira, com a chegada dos ventos e de uma chuva fina, o que gerou otimismo por parte das autoridades locais que lutam contra a poluição.  "Hoje está melhor do que ontem. Espero que esta tendência siga no futuro", ressaltou em coletiva de imprensa Du Shaozhong, subdiretor do Escritório de Proteção do Meio Ambiente de Pequim, que assinalou que nas últimas 24 horas o vento triplicou sua velocidade e os índices de poluição desceram.  Du ressaltou que em julho houve 25 dias de "ar limpo" e que "as nuvens e o nevoeiro não são poluição", apesar de que o Greenpeace tenha alertado sobre os excessivos níveis de partículas em suspensão procedentes da indústria ou do tráfego e que podem causar graves problemas de saúde se inaladas.  "Desde 1.º de julho todas as emissões poluentes foram reduzidas entre 15% e 20%", disse Du.  Sobre um eventual plano de emergência caso a qualidade do ar represente um risco para a saúde dos atletas, o funcionário confirmou que existe.  "Se não conseguirmos uma qualidade de ar ideal para os Jogos Olímpicos, adotaremos mais medidas. Serão medidas similares às que já foram tomadas, mas em uma escala mais ampla", assegurou.  A medida mais ampla entre as adotadas até agora por Pequim na luta contra a poluição atmosférica começou a ser aplicada em 20 de julho, com a retirada de um milhão dos 3,3 milhões de veículos que circulam pela cidade.  Nesse mesmo dia também foram fechadas mais de uma centena de fábricas e construções geradoras de elevados índices de emissões.  A poluição continua sendo uma das máximas preocupações dos organizadores de Pequim e, não em vão, os representantes da delegação australiana disseram a seus atletas que podem se retirar das competições caso estejam preocupados com as condições do meio ambiente do país asiático. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.