Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Vila Olímpica recebe representantes brasileiros de nove modalidades

Times de futebol e ginástica artística chegam neste domingo

Marcio Dolzan, O Estado de S. Paulo

24 de julho de 2016 | 07h00

Entre os brasileiros, atletas de nove modalidades chegarão à Vila neste domingo. As equipes de futebol feminino, hóquei sobre grama, levantamento de peso, saltos ornamentais, ginástica artística masculina, canoagem slalom, ciclismo de pista, tiro esportivo e tiro com arco são as primeiras.

O Time Brasil, composto por mais de 800 integrantes, dos quais 465 atletas, ocupará todo o prédio 30. O edifício foi escolhido pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB) por sua posição estratégia: é próximo ao refeitório e ao estacionamento, ao mesmo tempo em que fica afastado do trajeto das outras delegações, o que reduz a possibilidade de barulho.

Nem todos os atletas do País, porém, ocuparão o espaço. Seja por querer mais privacidade, seja por proximidade aos locais de disputa, algumas modalidades preferiram escolher outros locais. A seleção masculina de futebol, por exemplo, ficará em Teresópolis até começar a viajar pelo Brasil para o torneio. No vôlei, cinco das seis equipes – as duas de vôlei de quadra e três duplas do vôlei de areia – não se hospedarão na Vila. A exceção ficou com Bruno Schmidt e Alison.

“O Alison acha que a energia da Vila fez diferença em Londres-2012 (ele foi prata ao lado de Emanuel), e quer repetir a experiência aqui no Rio”, explicou Marcus Vinícius Freire, diretor executivo de Esportes do COB.

Esperança de medalha no tiro com arco, Marcus Vinicius D’Almeida é outro que quer aproveitar a energia da Vila. Ele chegará ao local hoje à noite. “A experiência de estar na Vila nos Jogos Pan-Americanos no ano passado foi muito boa. Teve aquela sensação de que era mais um passo para os Jogos Olímpicos”, comentou.

Ele diz que comida à vontade e o fato de estar dividindo uma área com alguns dos maiores esportistas do mundo não atrapalha. “Eu tive duas vivências, na Olimpíada da Juventude e nos Jogos Pan-Americanos. Não existem tentações. A gente entra focado”, afirmou. “O importante é a cada momento você entender o que pode fazer”.

Tudo o que sabemos sobre:
OlimpíadaRIo 2016Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.