Vôlei brasileiro supera China com 3 a 0 de olho na Itália

O Brasil passou fácil nesta quarta-feirapela alta, mas frágil, seleção da China de vôlei masculino,fazendo 3 sets a 0 em um ginásio tomado por bandeiras vermelhase gritos ensurdecedores da torcida. O resultado abre caminhopara o time de Bernardinho pegar na semifinal a Itália, quejogará confiante após tirar a Polônia do torneio. A Itália, que venceu a forte Polônia por 3 sets a 2, chegasem a pressão do Brasil de defender o campeonato olímpico,disse o técnico brasileiro após o jogo contra a China. "É um time que tem menos responsabilidade que o Brasil.Queria é jogar com eles com o mesmo tipo de pressão que nóstemos", disse Bernardinho. O capitão da seleção brasileira, Giba, afirmou depois dojogo com a China que é "hora de matar ou morrer". "Hoje mais um leão foi morto. Falta mais dois jogos e issome arrepia", disse Giba, que durante o jogo contra os chinesesestava tão entusiasmado que em duas ocasiões foi em bolas quenão eram suas. A equipe da China, que veio de uma campanha de duasvitórias e três derrotas, contou com ajuda de sua barulhentatorcida na partida contra o Brasil. Aos gritos de "Jia YouChina!" ("Vamos China!") a torcida abafou as manifestações dopúblico brasileiro que pontilhou as arquibancadas do CapitalGymnasium e tentou coros como "Brasil, Brasil". No primeiro set, a seleção brasileira só conseguiu abriruma vantagem de dois pontos quando o placar marcou 11 a 9, apósponto de saque viagem de Dante. Com um time mais jovem e mais alto que o brasileiro, aChina bem que tentou encostar no marcador com ataques deprimeira bola, mas o Brasil foi mais rápido, com Dante abrindobrechas no bloqueio chinês e Serginho fazendo boas defesas. Depois do enrosco inicial, a seleção de Bernardinho fechouo primeiro set em 25 a 17 em cortada de Anderson. O Brasil fezquatro pontos de bloqueio contra nenhum da China, que manteve ogigante Bian Hongmin, 19 anos e 2,10 metros de altura, coladona rede a maior parte do tempo. No segundo set, o Brasil recorreu a bombas no saque deGustavo para dificultar a recepção chinesa. André Nascimentofoi outro que se destacou, mas no bloqueio brasileiro. Com 16 a 8 para o Brasil, a China mandou vários ataquespara fora e Gustavo (2,03m) conseguiu bloquear cortada de Bian.A vantagem ainda chegou a 10 pontos, com Giba mandando bombasno saque contra o líbero chinês, Ren Qi. O Brasil se mostrou ainda mais técnico no terceiro set, nãodeixando espaço para a China crescer no jogo. No 4o pontobrasileiro, Giba perdeu o tempo de um levantamento na cortada,mas, antes que a bola se perdesse, ele conseguiu dar um tapinhaque não pôde ser defendido pela equipe da China. A torcida chinesa voltou com seus urros ensurdecedoresquando Yuan Zhi, escaldado com os toquinhos do time deBernardinho, deu o troco marcando ponto para a China. Mas omarcador em 12 a 6 para o Brasil deu força para os brasileirosda arquibancada gritarem o clássico "Eu sou brasileiro, commuito orgulho, com muito amor". Bernardinho tirou Giba e colocou Rodrigão (2,05 m) e nolugar de André Nascimento pôs Samuel (2 m), aumentando a alturado bloqueio do Brasil e dando uma folga para o capitão daseleção brasileira, que vem de tendinite crônica no ombrodireito. Segundo o treinador, as trocas aconteceram para darritmo de jogo aos reservas e também uma preparação para aItália.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.